Em noite triste para o basquete, Rio Claro empata série.

06/04/2016

Em um jogo que tinha tudo para ficar marcado pelo equilíbrio que se mantinha ao longo do duelo, um furto manchou a história da noite. Rio Claro, que não tinha nada a ver com o triste episódio, teve mais tranquilidade e empatou a série ao bater o Franca por 89 a 79.

 

O incidente ocorreu antes do intervalo, e quando Franca foi ao vestiário ao final do primeiro tempo, encontrou o lugar arrombado, e sem os pertences da comissão e dos atletas. Durante 30 minutos a continuação da partida foi colocada em xeque, mas Franca decidiu voltar a quadra pelo bem do basquete em detrimento de um fato isolado e de um grupo que não merece destaques maiores.

 

Durante toda a indefinição, toda a equipe do Rio Claro mostrou-se solidária e compreensiva, independentemente da decisão francana.

 

O JOGO

 

Precisando reverter a vantagem francana na sério, o Rio Claro não começou bem a partida. Com pressão pelo resultado, a equipe viu o adversário abrir 8 a 3, após precipitações no ataque. Aos poucos a equipe controlou a ansiedade e melhorou. Alemão em dois arremessos e Gui, enterrando, empataram a partida em 13 pontos. Nos instantes finais, Franca se aproveitou da manutenção do quinteto titular para fechar na frente, 20 a 15.

 

Sem utilizar os suplementes, Lula viu sua equipe ser castigada com o descanso promovido por Dedé ao final da primeira parcial. Com um começo de 16 a 10, a equipe passou a frente no marcador pela primeira vez na partida. O treinador até colocou em quadra a dupla Mathias e Kurtz, para tentar conter o forte trabalho dos pivôs adversários, mas sem sucesso, viu o Leão abrir seis pontos de vantagem ao final do primeiro tempo.

 

O treinador francano mal sabia, mas a diferença de seis pontos seria o menor dos problemas que a equipe passaria na noite dessa terça-feira. Ao chegar ao vestiário um duro golpe, que atingiu todo o basquete nacional. Vândalos invadiram o local, roubaram pertences pessoais, desestabilizando a equipe, que numa atitude digna de aplausos do Felipão lotado, voltou a cancha.

 

                    Dedé foi o cestinha com 25 pontos. / Luiz Pires

 

Depois de 37 minutos de intervalo, devido ao triste fato, o jogo foi reiniciado. Franca, abalado psicologicamente, mostrou garra, mas nos primeiros minutos acusou o golpe. Sofrendo muito com o bom desempenho do Rio Claro no garrafão - o Leão acertou os cinco primeiros arremessos na área pintada, com Vinícius e Fiorotto -, a equipe teve a maior desvantagem no placar, 51 a 39. Aos poucos Isaac e Caue, nas infiltrações, guiaram o time a uma boa recuperação, que fez com que as esperanças se reascendessem.

 

Precisando tirar 9 pontos no marcador, Franca apostava na pontaria mais calibrada do perímetro, além da força de Kurtz, que ausente no terceiro período, voltou bem ao jogo. A estratégia deu certo, e com o adversário pendurado de faltas, cortou a vantagem do Leão para apenas 2 pontos. Dede colocou Vinícius para brigar no garrafão junto com Alemão e a equipe neutralizou a arma ofensiva do rival. Assim, com seu xará em grande noite, a equipe abriu seis importantes pontos de frente, e em um erro da arbitragem elevou a 9, minando as pretensões francanas de buscar uma reação. 

Please reload

Postagens Recentes
Please reload

Arquivo
Please reload

Procurar por tags