Bauru desbanca Pedrocão lotado e vai à final

18/10/2016

   O Bauru está na final do Campeonato Paulista 2016. Jogando diante de uma briosa equipe francana, e com o Pedrocão lotado, o Bauru mostrou mais solidez, e sem deixar o nível cair, bateu o maior rival por 89 a 72, fechando a série em 2 a 1. 

 

    Para sair com a vaga à decisão, Bauru contou com a força do elenco e boa manutenção de bola. Com 23 assistências contra 11 do Franca, a equipe da Cidade Sem Limites selecionou bem os arremessos, respeitando o momento de cada atleta. Destaque individual para o trio bauruense composto por Alex, Leo Meindl e Jefferson, que anotaram 19, 18 e 18 pontos. Alex ainda alcançou um duplo duplo, ao distribuir 10 passes certeiros. Do lado francano, Coelho e Cipolini terminaram com 14 tentos cada.

 

VAI PEGAR FOGO

 

    Agora Bauru terá pela frente o Mogi, nos dias 22 (Bauru), 27 e 29 (Mogi das Cruzes), na decisão do Campeonato. As equipes tem um retrospecto recente de muita rivalidade. De 2014 para cá se enfrentaram em semifinal do Novo Basquete Brasil 7, Liga Sulamericana, Liga das Américas e Campeonato Paulista.

 

  Na semifinal do Novo Basquete Brasil, Bauru, em uma partida emblemática de duas prorrogações, empatou a série, levando de volta para casa o confronto, onde confirmou o mando de quadra garantindo vaga na decisão.

 

    Na Sulamericana, se encontraram na final, e Bauru novamente levou a melhor. O triunfo por 79 a 53, no Panela de Pressão garantiu ao Dragão a vaga na Liga das Américas, onde também se sagrou-se campeão.

 

 Confrontos entre Bauru e Mogi tem sido acirrados. (João Pires)

 

   Mas, nos dois últimos compromissos deu Mogi. Na edição anterior do Campeonato Paulista, Mogi acabou vencendo o rival por WO após a Federação Paulista não alterar o calendário e confirmar partida na mesma data em que Bauru representava o Brasil na pré temporada da NBA. Vale lembrar que nesta edição, Mogi e Paulistano tiveram calendário adaptado em função da primeira fase da Sulamericana.

 

   Mas Mogi também venceu com méritos, dentro de quadra. Na segunda fase da Liga das Américas 2015/2016, também em Bauru, bateu os donos de casa, forçando-os a vencer a forte equipe do Quimsa para seguir na competição.

 

O JOGO

 

    As equipes começaram a partida com muita movimentação ofensiva e esse foi o trunfo para que ambos os ataques levassem a melhor sobre as defesas. De um lado Franca, impulsionado por Coelho, que vive grande fase; do outro Leo Meindl, autor dos sete primeiros tentos bauruenses, 7 a 7. 

 

   A partir de então, Bauru conseguiu pressionar o ataque francano, que saiu de sua zona de conforto, cometendo algumas violações. Esses minutos de inefetividade dos mandantes fez com que Bauru, com Alex e Hettsheimeir, dilatassem o marcador, embora Cipolini tentasse responder, 12 a 20. Com mais uma boa de segurança de cada lado, de Coelho e Alex, Bauru finalizou a parcial na frente, 22 a 14.

 

 Bauru soube neutralizar o jogo de contato físico francano. (Caio Casagrande)

 

    Bauru não deixou a intensidade cair no início do segundo período, e com participação de Alex e Shilton próximos à cesta, os visitantes ampliaram a vantagem no marcador, 17 a 30. Aos poucos os suplentes de Franca melhoraram, e com Alexey e Antônio, chegaram a responder, reduzindo a frente bauruense, 22 a 30.

 

   Mas rapidamente, após bolas certeiras de Booker e Alex do perímetro, Bauru recolocou a diferença na casa dos dígitos duplos, 23 a 36. Os comandados de Helinho melhoraram significativamente com a dupla Coelho e Alexey, além da presença de Antônio e Cipolini, mas toda as vezes que encaixava, via Bauru desgarrar, especialmente na individualidade de Booker. No final, com mão mais calibrada, Franca converteu bolas longas com Alexey e Pedro, mas Jefferson e Valtinho, nos lances livres, deram números finais ao primeiro tempo, 33 a 44.

 

    Os comandados de Demétrius voltaram mais ligados e exploraram uma deficiência recorrente de Franca. Assim como em toda temporada, os mandantes tiveram uma queda de rendimento acentuada no retorno para o segundo tempo e viram Bauru disparar. Dominando os rebotes, e distribuindo bem o jogo pelas mãos de Alex, o Dragão converteu bolas com o próprio ala, além da dupla de pivôs Jefferson e Hettsheimeir, 33 a 56. 

 

 Alex assumiu a articulação bauruense e deixou quadra com double double. (Caio Casagrande)

 

    Helinho modificou taticamente sua equipe e colocou em quadra um trio de força física (Antônio, César e Cipolini) para explorar os contatos e o jogo de bloqueios. Assim, a equipe respondeu rapidamente e chegou a incomodar, 40 a 58.

 

   Com o crescimento de produção francano, e jogo de contato mais acionado, os ânimos se exaltaram, e algumas faltas técnicas e antidesportivas foram marcadas. E se de um lado a equipe da capital do basquete crescia; Bauru, com Leo Meindl em dois contragolpes, além dos lances livres decorrentes de faltas táticas, respondia, 51 a 74.

 

    Ciente da ingrata missão de ter apenas dez minutos para reverter a alta vantagem do Bauru, o Franca precisava de uma parcial perfeita. Seria necessário trazer para a última parcial a tradicional defesa francana e jogo de transição, mas Franca tinha mais vontade e velocidade do que organização. 

 

   Querendo sair em velocidade, a equipe permitiu que o adversário capturasse, com Shilton e Jefferson, importantes rebotes ofensivos no início do segundo quarto, freando o jogo esperado de contragolpe. Assim, embora Pedro tivesse se encontrado na partida, o Dragão controlou com bolas de fora de Jefferson e Hettsheimeir, 61 a 83. Daí em diante, as equipes assimilaram o resultado e jogaram sem tanta responsabilidade.

 

 

 

 

Please reload

Postagens Recentes
Please reload

Arquivo
Please reload

Procurar por tags