Em grande noite, Minas mostra concentração e frieza para quebrar série invicta do Bauru.

21/12/2016

   O Minas se recuperou em grande estilo no NBB9. Com forte marcação e poder de fogo, a equipe de Belo Horizonte bateu o Bauru, em pleno Panela de Pressão, por 86 a 75, entrando assim no G12 da competição, grupo que avança as oitavas de final. Do ponto de vista individual, Xande, Siqueira e Mosso, com 21, 18 e 15 pontos foram os principais pilares dos visitantes; enquanto que Hettsheimeir, ao 32 pontos em 32 minutos, deu sequência ao excelente momento que vem passando.

 

   Além dos pontos destacados acima, o Minas, que anotou 14 bolas de três em 26 tentadas (aproveitamento espetacular), mostrou frieza e maturidade para manter-se focado em um jogo em que a arbitragem foi extremamente fraca, com muitos erros. Cristiano, treinador da equipe, comentou sobre a grande vitória: "A gente sabia que pra poder ganhar do Bauru a gente tinha de defender o que não defendemos no último jogo, porque é uma equipe com muito volume. Os jogadores seguiram o plano de jogo e soubemos controlar os momentos difíceis e apesar de ser uma equipe jovem, soubemos fechar o jogo."

 

   Do outro lado, Demétrius, que preferiu deixar a arbitragem de lado, falou sobre as dificuldades enfrentadas e já projetou o que deve mudar para a partida diante do Brasília: "Quando se bobeia num jogo você acaba pagando caro, isso mostra o equilíbrio do campeonato. O Minas teve uma noite iluminada, e nós deveríamos ter entrado mais atentos, agressivos para que o adversário não crescesse dentro da partida. Para o próximo jogo precisamos voltar a defender bem, porque nossa média de 74 pontos subiu muito. Os meninos chegaram hoje de manhã em Bauru, então temos de entender isso, e já pra quinta eles estarão mais recuperados."

 

 

O JOGO

 

   Cena recorrente nos últimos jogos, Hettsheimeir inaugurou o marcador com bola do perímetro. Essa seria a primeira de uma série de bolas convertidas de fora nos minutos iniciais, com Mosso se destacando pelo Minas e Gui anotando para o Bauru. Aos poucos, os visitantes apostando em ataques rápidos, em virtude das características do seu elenco, muito jovem, conseguiu com Alexandre e Danilo, especialmente na zona morta, castigar a defesa bauruense. Precisando corrigir esse desequilíbrio, Demétrius colocou Leo Meindl ao lado de Gui, aumentando a estatura e ritmo defensivo. A aposta do treinador deu certo, tanto que os mandantes recuperaram bolas e dominaram os rebotes. Na frente, Hettsheimeir, explorando o poste baixo, foi cortando a desvantagem no marcador, 21 a 15.

 

   Toda a recuperação bauruense foi por água abaixo com o mau início de parcial. Nervosa com os erros cometidos pela arbitragem, a equipe paulista não teve tranquilidade ofensiva, e viu, do outro lado da quadra, a equipe de Cristiano, ser extremamente efetiva com Big e Macedo, que recolocaram a vantagem na casa dos dígitos duplos. O Dragão melhorou defensivamente com a entrada de Jaú, que assim como Meindl, protegeu o garrafão, deixando a articulação para a dupla Valtinho e Gegê, que infiltrando encontraram o camisa 23 em boas condições de equilibrar o quarto. Aos poucos, a arbitragem que desagradava os dois lados com suas marcações confusas, ignorando contatos fortes e punindo outros inexistentes, voltou a aparecer. O Minas, porém, soube lidar melhor, e capturando sobras ofensivas e rotacionando a bola em velocidade, emplacou bolas de fora com Paulinho e Alexandre, alavancando sua frente no marcador, 44 a 28.

 

Em grande fase, Hettsheimeir esteve imparável, mas coletivamente o adversário foi melhor. (Caio Casagrande)

 

   Diferentemente dos outros quartos quando começou em desvantagem, dessa vez a equipe de Demétrius Ferracciú começou melhor, equilibrando as ações internas, com Leo Meindl e Hettsheimeir, e externas, com o próprio camisa 30 e Jefferson. O Minas, pra frear o ímpeto bauruense trouxe de volta à quadra Paulinho e Danilo, que juntos com Siqueira poderiam acelerar a partida, e de fato a equipe até conseguiu tirar as bolas de três do Dragão, além da melhora ofensiva, mas o período era mesmo de Hettsheimeir, que trabalhando de costas para a cesta, dominava a área pintada, 60 a 53.

 

 Nos momentos de dificuldade, Alexandre foi decisivo para os visitantes. (Caio Casagrande)

 

   Na volta para o último período, os visitantes que impuseram pressão na posse de bola, tirando a articulação bauruense, conseguiram através do jogo coletivo, que culminava em boas seleções de arremessos, bem aproveitados pelo trio Danilo, Mosso e Alexandre, aumentar e muito a gordura no marcador, praticamente liquidando a partida. Quando os mandantes conseguiram reagir, através das dobras na defesa e pontaria afiada de Jefferson, Meindl e Hettsheimeir, o jogo se encaminhava pro fim, e embora a diferença tenha caído, o adversário, através dos lances livres e bolas longas, controlou a partida, 86 a 75.

 

Please reload

Postagens Recentes
Please reload

Arquivo
Please reload

Procurar por tags