Bauru vence a quarta consecutiva e se firma no G4

01/02/2017

   Em uma partida muito equilibrada, disputada no interior paulista, o Bauru se aproveitou da experiência de seus principais jogadores para frear a reação do Paulistano, finalizando o jogo em 78 a 68.

 

   A vitória dessa noite (31) serve de consolidação para o Dragão, que desde a derrota em Mogi, emplacou quatro resultados positivos. O segredo do bom momento, segundo Jefferson, que deixou a quadra com 21 pontos e 9 rebotes, foi a mudança de postura cobrada logo após a derrota para a equipe do Alto Tietê:

 

"Depois da derrota em Mogi, a gente teve uma conversa entre jogadores e comissão técnica, e mudamos muito nossa postura. Já tínhamos tido outras conversas antes, mas aquela foi crucial. Mesmo com a saída do Hettsheimeir, o time está com a cabeça boa, com cada um dando uma contribuição maior, dando um pouquinho a mais pelo time. A torcida de Bauru está acostumada com as vitórias e quando perdemos, eles acabam se magoando, então é importante trazer eles de volta."

 

   Para sair de quadra com mais um triunfo, a equipe que fez bom jogo defensivo, contou com a liderança de Alex, que brilhou a partir do segundo tempo, quando o adversário chegou a tomar a ponta. O capitão, que terminou como cestinha, flertando com duplo duplo (22 pontos e 8 rebotes), comentou sobre a partida: "Um jogo difícil diante de uma equipe que dificulta muito para nós. Mas o time soube ter paciência, trabalhar a bola e mesmo ficando atrás do marcador não relaxou, não se descontrolou, conseguindo recuperar. Uma vitória importante para se manter no G4 do campeonato."

 

 No momento de maior dificuldade, Brabo chamou a responsabilidade (Pedro Sacardo).

 

   Pela equipe de Gustavinho, os destaques ficam para Lucas Dias e Renato, com 14 pontos cada. Ambos, por sinal, cresceram de produção a partir do terceiro quarto, quando guiaram seus companheiros a reação, que acabou sendo freada pelos mandantes. O revés agrava a situação da equipe da Capital, que mais distante do G4, soma agora quatro jogos sem vencer.

 

O JOGO

 

   O ritmo intenso dos primeiros minutos agitou o bom público presente no Panela de Pressão. Enquanto o Bauru apostava em infiltrações explorando a maior velocidade de seus alas Leo Meindl e Alex, e do pivô Shilton diante de seus marcadores, mais pesados; o Paulistano mesclava o trabalho interno de Renato, com bolas de fora de bolas de Jonathan. Assim, foi comum ver, ao longo de todo o quarto, muitas trocas de liderança. Mas na reta final, Jefferson, anotando o primeiro arremesso do perímetro a favor dos mandantes, e Alex, em lance de cesta e falta, deram a vitória parcial aos mandantes, 22 a 19.

 

   Se o primeiro período ficou marcado pela eficiência das equipes no ataque, no começo do segundo quarto o cenário foi bem contrastante. Isso porque, os homens da rotação tem como característica principal a forte defesa, especialmente Gui Deodato e Jonathan. O Batman, por sinal, foi fundamental para que a equipe da casa conseguisse se sair melhor no começo da parcial. Brigando pelos rebotes defensivos, que vinha sendo o calcanhar de aquiles no primeiro quarto, e movimentando bem a bola, encontrou Jefferson bem posicionado no perímetro por duas vezes, aumentando um pouco a diferença a seu favor. Já nos instantes finais do primeiro tempo, os rivais, com a volta de seus pilares (Alex e Renato), conseguiram melhorar sua produção ofensiva, fechando um primeiro tempo muito equilibrado, 35 a 32.

 

   Os primeiros minutos do segundo tempo foram extremamente favoráveis a equipe de Gustavinho. Com participação efetiva de Lucas Dias, que buscando o jogo de contato, conseguiu, logo nos primeiros minutos, não só a virada, como também carregar em faltas muitas peças de Demétrius. A resposta do Dragão veio com seu capitão, Alex Garcia. O Brabo liderou a mudança de postura da equipe, que mais concentrada, conseguiu focar mais na partida, defendendo melhor e saindo em velocidade. No ataque, o camisa 10 bauruense, explorou o que tem de melhor, suas infiltrações, para devolver a liderança ao Dragão. No final, as equipes trocaram cestas, deixando a partida totalmente aberta, 51 a 50.

 

 Jefferson ajudou dos dois lados da quadra (Sério Paes)

 

   O placar parelho fez com que as equipes cometessem muitas precipitações na parcial final. Depois de alguns minutos em que as defesas, mesmo permitindo alguns arremessos livres, acabaram sendo pouco vazadas, os ataques finalmente funcionaram. Quem calibrou a mão primeiro foi Lucas Dias, mas do outro lado, Jefferson, no perímetro, devolveu na mesma moeda. O jogo quente não afetou somente os jogadores. A arbitragem cometeu erros bobos, deixando os dois lados insatisfeitos. Com o jogo se encaminhando para o fim, Jefferson e Leo Meindl chamaram a responsabilidade. Assegurando os rebotes e procurando o jogo interno, levaram vantagem sobre o sistema defensivo de Gustavinho, que foi obrigado a fazer faltas, colocando o adversário na linha do lance livre. Com tranquilidade, os mandantes, que ainda se beneficiaram da exclusão do treinador adversário após a segunda falta técnica, aumentaram sua vantagem através dos lances livres, sacramentando o duelo, 78 a 68.

 

Please reload

Postagens Recentes
Please reload

Arquivo
Please reload

Procurar por tags