Em confronto equilibrado, Vasco devolve resultado em cima do Campo Mourão

11/02/2017

 

   Velhos conhecidos, Campo Mourão e Vasco, finalistas da última Liga Ouro, fizeram um jogo muito parecido, mas no final, pesou, a favor dos cruzmaltinos, a experiência de seus principais jogadores, que tiveram tranquilidade para fechar o jogo em 82 a 77, devolvendo a derrota que sofreram em casa no primeiro turno, por 91 a 81.

 

   Cestinha do Gigante da Colina com 20 pontos, Murilo sabe que a vitória por cinco pontos não servirá em um eventual empate, mas o preferiu enaltecer o resultado positivo: "Precisávamos ganhar aqui, era um confronto direto. O objetivo era vencer por mais de dez pontos mas não faz mal, porque nesse momento do campeonato, o importante é vencer."

 

   Pelo lado do Leão, o destaque ficou com Pastor. O ala veio do banco e ajudou sua equipe de diversas formas. Além de terminar como cestinha com 21 pontos, o jovem atleta ainda alcançou um duplo duplo ao capturar 10 rebotes.

 

Nezinho e Brown também protagonizaram um belo duelo (Thiago Moreira).

 

   Agora ambos terão compromissos duros fora de casa. Buscando a reabilitação, o Campo Mourão enfrenta o Macaé, dia 14, e o pentacampeão Flamengo, dia 16. Já o Vasco, mede forças com o Vitória e o Basquete Cearense, dias 16 e 18, respectivamente.

 

O JOGO

 

   O Vasco entrou em quadra com uma proposta bem clara, isolar Betinho do jogo. Assim, recorrendo as dobras, conseguiu, nos primeiros minutos, dificultar as ações do cestinha do NBB9. Sem a contribuição de seu principal nome, Campo Mourão sentiu e abusando da individualidade, permitiu que o cruzmaltino, com facilidade, pontuasse na área pintada, com Gaúcho. Com mais atenção na defesa, sobretudo no garrafão, os mourãoenses conseguiram sair em transição, e movimentando bem a bola, encontraram espaços nas costas da defesa adversária, encostando no marcador. No final, com as defesas um pouco mais relaxadas, foi comum ver jogadores aparecendo livres no perímetro, e assim, com colaboração de Betinho e Pastor, que veio bem do banco, os mandantes pularam à frente, 24 a 21.

 

   Depois de um começo de segundo quarto amarrado, que ficou marcado pela briga dentro do garrafão e baixo aproveitamento à média distância, os comandados de Emerson conseguiram timidamente se sobrepor. Com Pastor capturando sobras e anotando bola de fora, a equipe da casa largou melhor no perímetro, mas logo, com a volta dos titulares, o cenário se inverteu. Com Nezinho inspirado, o Vasco foi se encontrando dentro da parcial, equilibrando as ações. Do outro lado Brown e Betinho até tentaram organizar o Leão, mas quem vivia bom momento dentro da partida era o visitante. Com boa organização de Nezinho, a equipe de Dedé explorou os bloqueios e o trabalho interno de Murilo, que na linha do lance livre, devolveu a liderança ao Vasco, ao final do primeiro tempo, 41 a 38.

 

   Na volta para a segunda etapa, os ataques levaram ampla vantagem sobre os sistemas defensivos. Enquanto os mandantes em jogadas individuais mesclavam infiltrações com Betinho e Douglas Nunes, com tiro de Pastor; os visitantes concentravam sua ações no jogo interno, com Nezinho e Murilo, que dominava os rebotes. Após cometer alguns erros no ataque, que proporcionaram que o Vasco, após bola de David Jackson, dilatasse um pouquinho a diferença no marcador, o Campo Mourão se ajustou e atuando de forma equilibrada e coletiva, conseguiu se recuperar. Com velocidade, a equipe de Emerson distribuiu bem os arremessos, mas foi através das bolas de três consecutivas de Brown, Pastor e Douglas Nunes, que recuperou a dianteira. Só que do outro lado, o Gigante da Colina devolveu na mesma moeda, com Murilo, David Jackson e Helio, recuperando a liderança, 66 a 62.

 

Na reta final da partida, David Jackson, que vem tendo alto tempo de quadra, sentiu lesão e precisou sair (Thiago Moreira).

 

   A proximidade do final da partida e das equipes no marcador fez com que o jogo caísse tecnicamente. Com as equipes cometendo muitas precipitações, o placar seguiu inalterado por alguns minutos, quando o Vasco teve inteligência para explorar sua dupla de pivôs, Murilo e Fiorotto. Aos poucos, o jogo coletivo do Campo Mourão começou a fluir, e Douglas Nunes, em infiltrações, diminuiu para apenas uma posse de bola a diferença no marcador. A partir daí, o jogo esquentou e após algumas trocas de cestas de Helio e Pastor, Nezinho converteu outro arremesso do perímetro e praticamente liquidou a partida. Com pouco tempo no relógio, a equipe da casa até teve algumas oportunidades, mas acabou desperdiçando lances livres, que determinaram o triunfo cruzmaltino, 82 a 77.

Please reload

Postagens Recentes
Please reload

Arquivo
Please reload

Procurar por tags