Na briga pelo G4, Bauru leva vantagem sobre Vitória

08/03/2017

   Com o equilíbrio dessa edição, não é preciso um grande roteiro para que as partidas sejam de alto nível. Mas em uma partida que colocou frente a frente as duas melhores defesas do campeonato, não poderia ser ainda mais atrativa. Como não poderia deixar de ser, levou a melhor quem conseguiu manter a solidez defensiva, o Bauru, que jogando em casa, venceu o Vitória por 83 a 71, em uma partida acirrada. 

 

   Com o resultado positivo, Bauru, que havia deixado o G4 após as derrotas para o Caxias e para o Franca, retorna ao grupo dos quatro melhores, que avançam direto às quartas de finais do campeonato. Além de ultrapassar o rival na tabela de classificação, o Dragão, com os dois triunfos diante do Leão (turno e returno), estabelece vantagem em um possível desempate ao final da primeira fase.

 

   Cestinha da partida ao lado de Alex, com 19 pontos, Leo Meindl, através da assessoria do Bauru, comentou sobre o resultado positivo: "Eu faço sempre o máximo para ajudar meu time, mas a vitória sempre é o mais importante. Era um jogo de confronto direto para nós e foi muito importante voltarmos ao grupo dos quatro melhores do NBB."

 

   Já Régis Marrelli, técnico do Vitória, deixou a quadra insatisfeito com o desempenho de sua equipe: "Nós estamos brigando com Bauru pela melhor defesa, mas nosso ataque está muito mal. Estamos com o desfalque do Hayes, que é importante, mas contra o Mogi fizemos 60 pontos e hoje 71. Se não melhorarmos não vamos a lugar nenhum."

 

   Sem muito tempo para comemorar o resultado dessa noite, o Bauru recebe, já na quinta-feira (09), o Basquete Cearense, antes de iniciar uma dura sequência fora de casa, diante do Minas e do Brasília. Também na quinta, a equipe de Régis Marrelli volta às quadras. O desafio é diante do Franca, fechando a excursão pelo interior paulista. Depois do confronto, a equipe rubronegra terá três compromissos diante de seu torcedor, contra Basquete Cearense, Macaé e Flamengo.

 

O JOGO

 

   Logo nos primeiros minutos de jogo, as equipes mostraram sua maior virtude, que não à toa as credenciam ao G4. Com defesas fortes, causaram dificuldades aos ataques, mas a desatenção rubronegra nos rebotes, permitiu que Bauru, em sobras ofensivas, encontrasse Alex e Gegê na linha dos três pontos. Tamanha intensidade defensiva fez com que as equipes acumulassem faltas coletivas, e com os visitantes estourando o limite primeiro, o Dragão explorou o trabalho interno com Jefferson, que por diversas vezes foi parar na linha do lance livre. Quando ajustou a postura defensiva, o Vitória conseguiu, com Keyron, sair em velocidade. O americano, pontuando em sequência, até reduziu a vantagem dos mandantes, mas Gegê, no perímetro, e Valtinho, no lance livre, deram números finais ao primeiro quarto, 20 a 12.

 

   No começo do segundo período, os mandantes acabaram forçando bolas de fora, que renderam contragolpes bem finalizados por Dawkins e Coimbra. Dessa forma, a diferença construída ao longo do primeiro quarto, caiu para apenas um ponto. Com a entrada de Gui e Maicão, Bauru voltou a apresentar um equilíbrio defensivo maior. Com estabilidade, pôde atuar em transição, e assim, em contragolpes finalizados pelo próprio ala e também por Jefferson, voltou a abrir uma margem de segurança. Mas o jogo, como esperado, era lá e cá, e apostando em um jogo mais veloz, a equipe de Régis não só incomodou e anulou o trabalho de cinco contra cinco bauruense, como também, em jogadas de Edu Mariano e Keyron, encostou novamente no marcador. No minuto final, porém, os mandantes, na linha do lance livre, confirmaram a vitória parcial, 36 a 32.

 

Ala bauruense cresceu de produção na segunda etapa e terminou como cestinha (Caio Casagrande).

 

   Se o Vitória já tinha dado sinais de melhora ao longo do quarto anterior, foi no começo do segundo tempo que a equipe viveu seu melhor período dentro da partida. Com boa organização e precisão nos arremessos, tanto do perímetro com Artur, quanto nas infiltrações de Dawkins, a equipe rubronegra assumiu a ponta do marcador. Coube ao capitão do Dragão, Alex Garcia, recolocar os mandantes nos trilhos. Com muita intensidade, o Brabo solucionou dois problemas da equipe na parcial. Foi ele quem assegurou os rebotes defensivos, e também orquestrou o ataque. Alex, não só deu assistências, como também apareceu na finalização das jogadas e, assim, sua equipe recuperou a dianteira, 56 a 49.

 

   Ciente da necessidade de resolver a partida, para evitar nova recuperação do adversário, Bauru voltou ligado e, emplacando boas defesas, conseguiu aumentar a gordura no marcador com boa prestação de Shilton no garrafão. Vendo o jogo parelho escapar de suas mãos, o Vitória tentou acelerar suas ações, e conseguiu movimentar bem a bola, pontuando muitas vezes com Dawkins, em infiltrações. Só que do outro lado, sempre instantaneamente, Leo Meindl respondia. O camisa 23 encontrava espaços a média distância, e com a pontaria calibrada, esfriava qualquer reação dos visitantes. Mas foi após a ponte aérea de Leo para o Batman, que vai disputar o torneio de enterradas, que a vitória foi selada. Dali em diante as equipes, sem muito compromisso, apenas trocaram cestas, finalizando uma boa partida de basquete, 83 a 71.

 

 

Please reload

Postagens Recentes
Please reload

Arquivo
Please reload

Procurar por tags