Bauru controla Cearense e se mantém no G4

O Bauru voltou a fazer a lição de casa, e bateu, nessa quinta (09) a equipe do Basquete Cearense, por 78 a 72. Se os resultados da rodada não permitiram que Bauru alcançasse a terceira colocação, garantiram, ao menos, que a equipe abrisse uma vantagem ainda maior em relação ao quinto colocado, o Vitória.


Durante todo o confronto, foi possível ver um duelo tático muito interessante entre Demétrius e Bial. Ambos rotacionaram muito os elencos, mas pesou a favor dos mandantes, a maior colaboração dos suplentes, que anotaram 24 pontos, contra 19 do adversário.


Ao final do jogo, o comandante bauruense comentou sobre a batalha que travou fora de quadra com Bial: "Importante estarmos preparados para o jogo, para essas variações táticas. O Cearense é um time que tem muitas peças e nós fomos nos adaptando a isso. Os jogadores foram muito firmes e mostraram nossa força dentro de casa."


Além disso, Bauru mostrou mais coletividade, e foi esse aspecto que ajudou Shilton a fazer sua melhor partida com a camisa bauruense (13 pontos e 7 rebotes): "Os jogadores tiveram confiança no meu trabalho. Depois do dia a dia, de uma, duas partidas, essa confiança, somada ao apoio da torcida, acaba fazendo que as coisas aconteçam naturalmente."


Desapontado com a derrota, mas ciente da evolução da equipe, Duda falou sobre o momento vivido pela equipe, e o que espera para os playoffs: "Não estamos em uma posição que gostaríamos, mas sem dúvida nenhuma estamos numa crescente, apesar dos resultados. Claro que queremos ganhar o máximo de jogos que tivermos para melhorar nossa classificação. Mas a gente tá focado nisso, em chegar bem aos playoffs. Ano passado fizemos um festa linda no Paulo Sarasate, com recorde de público e a gente conta com nosso sexto jogador para atingir nossos objetivos."


Após a pausa para o Jogo das Estrelas, Bauru terá pela frente dois compromissos longe de seu torcedor, diante do Minas e do Brasília, rival direto na luta pelo G4. Depois disso, fecha a primeira fase recebendo o Mogi e Campo Mourão. Já o Carcará faz o clássico nordestino contra o Vitória, longe de casa, antes de receber Flamengo e Macaé, últimos compromissos da equipe como mandante, já que na última rodada mede forças com o Paulistano, na capital paulista.

O JOGO


Bauru começou a partida tirando proveito de sua dupla de pivôs. Com Jefferson e Shilton produtivos junto ao garrafão, os mandantes foram abrindo frente. Aos poucos, Alex se juntou a dupla, e o Dragão, logo de cara, abriu nove de frente. Davi, chamando a responsabilidade, conduziu a reação do Carcará. Usando e abusando do pick and roll, o camisa 5 finalizava e servia com a mesma qualidade. Alex até tentou reacender o Dragão, em excelente passe entre as pernas do adversário, que terminou com enterrada de Shilton, mas o momento era do adversário, e Felipe, em bola longa, decretou o empate parcial, 20 a 20.


O Cearense até virou a partida, no inicio do segundo período, mas quem de fato voltou melhor foi o quinteto bauruense. Com uma defesa agressiva, conseguiu recuperar bolas e assegurar rebotes, saindo, assim, em velocidade. O jogo rápido favoreceu Leo Meindl, que começou a se destacar por meio de suas infiltrações. Tamanho domínio dos mandantes acabou se refletindo no marcador, com a diferença chegando pela primeira vez a casa dos dois dígitos. Ciente da necessidade de cuidar melhor da bola, Bial trouxe Gustavinho ao jogo, em uma formação com dois armadores. A medida até surtiu efeito, mas do outro lado Bauru seguia muito efetivo. Com Valtinho distribuindo o jogo, a equipe conseguia fazer valer o aspecto coletivo, distribuindo bem a pontuação, mas com destaque para a boa contribuição de Maicão. No final, no estouro do cronômetro, Andrei converteu bola do perímetro, diminuindo a vantagem dos mandantes, 44 a 34.


Brabo foi o cestinha bauruense com 20 pontos (Caio Casagrande).

O intervalo parece ter esfriado o ritmo das equipes, que aceleram alguns ataques e prenderam demais a bola em outros, Os times encontraram muitas dificuldades. Quem se encontrou primeiro na parcial foi o Carcará, que apostando na individualidade de Duda e Toledo, conseguiu encostar no marcador. Rapidamente Demétrius chamou Gui, e o ala deu resultado logo de cara. Cortando a linha de passe e contestando melhor os arremessos, o Batman foi fundamental para que os mandantes tivessem uma defesa mais equilibrada. Assim, Bauru explorou bem o trabalho interno de Shilton e Jefferson, para voltar a pontuar e manter a gordura no marcador, 57 a 47.


No começo do último período, o desempenho individual de Davi, tanto internamente, quanto na linha de três, colocou fogo no jogo. Com dificuldade para romper a forte marcação imposta pelos visitantes, o Dragão respondeu nas bolas de fora de Je e Alex. Com o jogo parelho e aberto, a partida ganhou contornos de tensão. Investindo em bolas de segurança, Bauru e Cearense, concentraram suas ações nos homens de garrafão, e por ali, Shilton e Leozão travaram boas disputas. Novamente o armador do Carcará voltou a calibrar a mão e em bola de três, trouxe a diferença para apenas um posse. Foi então que Bauru forçou as jogadas de contato, já que muitos atletas do Cearense estavam pendurados. Dessa forma, Alex e Jefferson levaram vantagem e elevaram a frente bauruense. No final, Duda tentou responder, mas os mandantes, aproveitando os lances livres, consolidaram o triunfo por 78 a 72.

Postagens Recentes
Arquivo
Procurar por tags

LARANJA PULSANTE

Informações e análises dos principais campeonatos estaduais, nacionais e internacionais de basquete.

Laranja Pulsante © 2019 | Todos os direitos reservados