Pinheiros controla o Vasco e larga na frente

05/04/2017

   O Pinheiros, que já tinha a vantagem do mando de quadra, conseguiu um importante resultado que lhe dá ainda mais armas dentro da série com o Vasco. Jogando no Rio de Janeiro, a equipe dominou a partida contra o cruz-maltino, e mesmo após a recuperação dos mandantes, mostrou força para administrar o placar e vencer por 83 a 74, abrindo 1 a 0 na série.

 

   Para os dois próximos jogos da série, que serão disputados em São Paulo, a expectativa fica para um duelo mais equilibrado. Hoje, foi notória a diferença de postura da equipes. Enquanto o Pinheiros demonstrava tranquilidade e coletividade, o Vasco, perdido em quadra, fez uma partida muito aquém de seu potencial.

 

O JOGO

 

   O clima de playoff parece ter afetado negativamente as equipes no começo da partida. Com muita disposição, mas com pouca inteligência, Vasco e Pinheiros aceleraram demais a partida, atacando de forma desorganizada que favorecia as defesas. Sem poder de criação, os times apostaram nas jogadas de contato e aí o jogo, que já não era bom, ficou marcado pelas inúmeras faltas. Aos poucos, em jogadas individuais e de pick and roll, os rivais passaram a movimentar o marcador. A parcial se encaminhava para um final de período de placar baixo e equilibrado, mas após aproveitar lances livres e anotar bola de fora com Gemerson, o Pinehiros desgarrou um pouco no marcador, 16 a 9.

 

   No começo do segundo período, o Vasco até conseguiu encostar um pouco no marcador, mas o bom momento não foi duradouro. Irreconhecível, o cruz-maltino tinha do outro lado um adversário envolvente. Com muita movimentação dos dois lados da quadra, o Pinheiros jogava com tranquilidade. Nem mesmo a ausência momentânea de Holloway, poupado com 3 faltas, comprometeu o rendimento da equipe paulista, que via Bennett brilhar nas infiltrações. De tanto insistir, os mandantes encaixaram um sistema de jogo. Imprimindo um ritmo mais veloz, conseguiu encaixar algumas defesas e sair em transição. Com superioridade numérica, rodou bem a bola e converteu três bolas consecutivas da linha dos três pontos, com Nezinho e Gaúcho, encostando no marcador, 35 a 33.

 

 Cestinha com 28 pontos, Gaúcho bem que tentou mas não evitou derrota do Vasco (Divulgação).

 

   O intervalo acabou esfriando os mandantes. Voltando a apresentar os mesmo erros dos primeiros quinze minutos, o Vasco acabou vendo toda a recuperação dos últimos minutos do primeiro tempo escorrer ralo abaixo. Com uma corrida de 8 a 0, o clube da capital paulista recolocou a diferença na casa dos dígitos duplos. Essa gordura no marcador aumentou a confiança da equipe dentro de quadra. Para se ter uma ideia, o clube que terminou a primeira fase com o pior aproveitamento na linha dos três pontos, converteu bolas longas com Neto e Gemerson. Além disso, o Pinheiros demonstrava força dentro do garrafão, que foi bem protegido e efitivo com Teichamann e Anasaloni. Sobrando na partida, os visitantes chegaram a colocar 21 pontos de diferença no marcador. Tamanha superioridade irritou a torcida local, que passou a xingar os próprios jogadores. Aquela altura, o cenário era o pior possível. Os mandantes, totalmente dependentes do brilho de Gaúcho, foram para o último período com uma dura missão, 67 a 50.

 

 

   Assim como no final da primeira etapa, o Gigante da Colina se aproveitou dos tiros longos para voltar a partida. Com quatro bolas certeiras do perímetro, convertidas por David Jackson, Gaúcho e Palacios, o Vasco reacendeu sua torcida. A sintonia fez com que o adversário sentisse o golpe e a diferença caísse rapidamente. Com a diferença em dez pontos, o jogo ganhou qualidade técnica. Defesas, antes não tão bem postadas, buscavam o melhor encaixe possível para dar tranquilidade aos ataques. Assim, o jogo ficou muito interessante. O Vasco, vivendo seu melhor momento dentro do confronto, trouxe a diferença para apenas seis pontos, após bola de Murilo na área pintada, a menos de dois minutos para o final. Apesar do jogo estar aberto, o Vasco precisava ser muito eficiente para se aproximar da vitória. Foi então que o Pinheiros fez um ajuste que tirou os mandantes de sua zona de conforto. Recuperando bolas, a equipe da capital paulista matou o jogo em dois contragolpes, 83 a 74.

Please reload

Postagens Recentes
Please reload

Arquivo
Please reload

Procurar por tags

LARANJA PULSANTE

Informações e análises dos principais campeonatos estaduais, nacionais e internacionais de basquete.

Laranja Pulsante © 2019 | Todos os direitos reservados