Bauru desgarra no final e abre vantagem contra o Macaé

06/04/2017

   Se alguém esperava vida fácil para Bauru no confronto contra o Macaé, viu que nos playoffs a história é bem diferente. No confronto que colocava frente a frente o quinto colocado contra o décimo segundo, toda a diferença obtida ao longo da primeira fase deu lugar ao equilíbrio. Só que no final, Bauru mostrou porque leva favoritismo no confronto.

 

   Depois do empate parcial em 67 pontos, o Dragão, aproveitando-se da maior qualidade e experiência de suas peças, aplicou uma corrida de 13 a 3, abrindo 1 a 0 no confronto, mesmo atuando longe de seus domínios.

 

 Alex foi a válvula de escape bauruense nos momentos de dificuldade (Caio Casagrande).

 

   Com 24 pontos, Anthony terminou a partida como cestinha. Ele teve como grande auxiliar Lupa, que deixou a quadra com 13 pontos e um grande trabalho defensivo. Do outro lado Jefferson, com 23 tentos, era a principal arma ofensiva de Bauru, que teve Alex como maestro da equipe. O Brabo anotou 17 pontos, capturou 11 rebotes e distribuiu 7 assistências.

 

   Agora Bauru tem dois compromissos ao lado de seu torcedor (sábado e segunda), e espera que o mando de quadra seja um aliado na confirmação da vaga às quartas. Para a equipe fluminense, só uma vitória no interior paulista dá sobrevida dentro da competição.

 

O JOGO

 

   A partida começou com os mandantes ligeiramente superiores. Isso porque a equipe se aproveitava muito bem da força de Lupa no garrafão. O pivô se destacava dos dois lados da quadra, tanto na pontuação, quanto na proteção da área pintada. Sem conseguir entrar na defesa dos mandantes, Bauru contou com a bola de fora de Jefferson e de Gegê para não deixar o adversário desgarrar.

 

   Controlando melhor o trabalho ofensivo do adversário, que até então se sobressaia no pick and roll, os paulistas imprimiram um forte jogo de transição. Com velocidade, explorou bem a superioridade numérica nos contragolpes, abrindo vantagem. Com infiltrações de Leo Meindl e bolas longas de Gegê e Jaú, Bauru chegou a colocar a diferença na casa dos dígitos duplos, só que Macaé respondeu em duas bolas de fora, com Thiaguinho e Erick, diminuindo o prejuízo, 24 a 15.

 

   Na volta para o segundo período, os treinadores deram descanso à seus principais jogadores, e os suplentes da equipe da casa responderam melhor. Com bolas de três pontos de Schneider e Rafa Moreira, Macaé cortou a diferença para apenas três pontos. Com a volta de seus pilares, Alex e Jefferson, Bauru voltou a ser produtivo no ataque, mas seguia descuidando atrás e Anthony não deixou barato. Com duas bolas de três pontos e rebote ofensivo de seu próprio lance livre, devolveu a liderança à sua equipe ao final do primeiro tempo, 37 a 36.

 

   No início da etapa complementar, as equipes buscaram um jogo de maior segurança, concentrando seus ataques próximos à cesta. Assim, Anthony e Simmons chamavam a responsabilidade pelo lado dos mandantes, mas Alex Garcia não deixava barato. Depois de muitas trocas de cestas, o jogo acabou ficando favorável ao Dragão devido ao acúmulo de faltas coletivas cometidas pelo Macaé. Com seu capitão fazendo uma leitura de jogo correta, Bauru foi parar na linha do lance, e mesmo desperdiçando algumas oportunidades, acabou passando a frente. Só que o jogo era lá e cá, e na última posse de bola, Schneider devolveu a liderança à sua equipe, 57 a 56.

 

Com 11 pontos nos últimos minutos, Jefferson foi fundamental para o triunfo do Dragão (Caio Casagrande).

 

   Com o jogo caminhando para o final, houve uma queda de rendimento. Talvez até decorrente da ansiedade de construir e finalizar jogadas. Com pouca movimentação no marcador, o confronto ganhou um aspecto interessante. Se Bauru havia estourado o limite de faltas coletivas, os mandantes administravam o trabalho de Lupa, Simmons e Rafa Moreira, pendurados com 4 faltas. Aquela altura, o jogo estava empatado e o cenário permitia que quaisquer ambições se concretizassem.

 

   A partir de então, com as defesas evitando os contatos, o que foi visto foi um verdadeiro festival de três pontos. Se os mandantes pontuavam com Rafa Moreira e Anthony, Bauru devolvia na mesma moeda, com Jefferson. Para resolver o confronto, Bauru contou com a colaboração de Gui. O ala anotou cinco pontos em sequência, dando tranquilidade aos visitantes. Com pouco tempo para reagir, Anthony buscou as infiltrações, mas acabou parando na forte marcação do ala. Assim, o Dragão rodou bem a bola, foi parar no lance livre, sacramentando a vitória, 80 a 70.

 

 

Please reload

Postagens Recentes
Please reload

Arquivo