Flamengo volta a bater Pinheiros e fica a um passo da semifinal

25/04/2017

   O Flamengo deu um passo muito grande rumo à semifinal do Novo Basquete Brasil 9. Depois de vencer o jogo 1, em São Paulo, a equipe rubro-negra fez o dever de casa ao bater novamente o Pinheiros, por 83 a 73.

 

   O segredo do triunfo dessa noite (24), passa por dois fatores: rebotes e lances livres. Capturando muitas sobras ofensivas, a equipe teve um volume de jogo maior do que o adversário, que passou o jogo todo tentando se aproximar no marcador. Quando trouxe a diferença para apenas uma posse de bola, a menos de 2 minutos para o final do jogo, o experiente elenco composto por Marquinhos e companhia, capricharam nos lances livres. Dos 21 pontos da equipe no último quarto, 17 vieram da linha do lance livre.

 

Ronald Ramon, que não fez uma boa temporada, apareceu bem essa noite (Staff Imagens Flamengo).

 

   Com o resultado, a equipe de José Neto abre 2 a 0 na série, e pode selar, já nessa quinta-feira (26), a classificação à semifinal da competição. Para isso, basta vencer o confronto que será realizado novamente no Tijuca Tênis Clube. Ao Pinheiros, só a vitória interessa.

 

O JOGO

 

   Os primeiros minutos de jogo ficaram marcados por um confronto particular, entre Marquinhos e Gemerson. Pontuando tanto internamente, quanto na linha dos três pontos, os jogadores foram os únicos a pontuarem para os rivais no início do duelo. Aos poucos, algumas peças foram aparecendo, com destaque para o trabalho de Ramon, por meio de infiltrações, para os mandantes, e de Ansaloni, através da imposição física, para os visitantes. Essas variações fizeram com que o jogo seguisse equilibrado, com algumas trocas de lideranças. Só que na reta final, o Flamengo se aproveitou da marcação de uma falta antidesportiva, pra lá de questionável, para fechar a parcial na frente, 27 a 22.

 

   O problema no relógio dos 24 segundos, que retardou em cinco minutos o início do segundo quarto, acabou esfriando as duas equipes, que perderam cestas fáceis quando o jogo recomeçou. Depois de muitos erros de conclusão, o clube da Gávea conseguiu colocar a diferença próxima dos dígitos duplos em ataques criados a partir de rebotes ofensivos, capturados por Mineiro e JP. A resposta do Pinheiros veio justamente quando a defesa passou a controlar as sobras e linha de passe. Defendendo melhor, voltou a ter o jogo de transição, com Holloway e Bennett, característica marcante da equipe. Para voltar a ter uma gordura no marcador, o rubro-negro contou com a prestação de alguns titulares, que voltaram à quadra, 42 a 36.

 

   Só que essa vantagem no marcador foi embora no início do segundo tempo. Com uma defesa desajustada, o Flamengo acabou chegando atrasado em várias jogadas, dando a possibilidade do rival converter cesta e ainda ganhar o lance de bonificação, com sua dupla de pivôs, Ansaloni e Teichmann, e com Holloway. Se a defesa não funcionava, foi através do arsenal ofensivo de seus principais jogadores, como Marquinhos, que a equipe da casa recuperou a liderança. Impulsionado pelo desempenho do ala da seleção brasileira, o Flamengo não só tirou a confiança dos jogadores do Pinheiros (que em algumas situações, mesmo livres, optaram por recomeçar as jogadas), como também voltou a ter tranquilidade, fechando a parcial em 62 a 52.

 

 Nos momentos de maior dificuldade, Marquinhos deu tranquilidade à equipe (Staff Imagens Flamengo).

 

   A promessa de um grande último quarto acabou não se concretizando. Isso porque a primeira metade do período, foi uma verdadeira pelada. Os erros cometidos pelos ataques até seriam justificáveis se houvesse um belo trabalho defensivo do outro lado. Mas, meu amigo, o buraco era mais em baixo. As defesas também falhavam, não asseguravam rebotes, e o jogo ficou sofrível. Na tentativa de superar as deficiências do jogo de cinco contra cinco, César Guidetti apostou numa formação baixa, de mais intensidade. Neutralizando o ataque adversário, e saindo em velocidade, o clube da capital paulista foi cortando a diferença, com seus americanos e com Gemerson, chegando a ficar apenas três pontos do rubro-negro. Só que essa pressão defensiva, fez com que o Flamengo fosse parar na linha do lance livre, e por ali, Fischer e Marquinhos garantiram a vitória, 83 a 73.

 

Please reload

Postagens Recentes
Please reload

Arquivo
Please reload

Procurar por tags