Com placar centenário, Pinheiros bate Flamengo e força quinto jogo

02/05/2017

   O Pinheiros provou mais uma vez seu poder de reação. Depois de sair perdendo a série por 2 a 0, e sair atrás no marcador no jogo 3 e hoje, no jogo 4, a equipe se recuperou, assumiu o controle e bateu o Flamengo por 102 a 98, forçando o quinto e decisivo jogo, no Rio de Janeiro, na sexta feira (05).

 

  Assim como em todas as partidas, houve jogadores que brilharam, caso de Marquinhos e Holloway, nome do jogo. Mas temos de destacar também o aspecto coletivo de ambos os lados. Com a preocupação de procurar sempre um companheiro melhor posicionado, choveu assistências no Henrique Villaboim. O rubro-negro liderou o quesito, com 26 passes para cesta, mas os paulistas vieram logo atrás, com 22.

 

 Com 32 pontos, Holloway foi o nome da partida (Daniel Vorley).

 

 Tamanho equilíbrio fez com que o duelo, do mais alto nível, chegasse ao minuto final completamente aberto. O desequilíbrio, sem dúvida nenhuma foi a liderança do Pinheiros. Durante todo o segundo tempo, a equipe de José Neto tentou recuperar a ponta, mas sempre que se aproximava, via o rival contornar a situação.

 

O JOGO

 

   Precisando à todo custo da vitória, o Pinheiros veio para o jogo com uma defesa agressiva, que lhe permitiu recuperar bolas e costurar contragolpes com Holloway. Quando controlou o jogo de transição dos mandantes, o Flamengo neutralizou o trabalho de cinco contra cinco do adversário, e utilizou a mesma arma do rival para assumir as rédeas da partida, em jogadas de velocidade de Marquinhos e trabalho interno de Olivinha e JP. Depois de cometer muitos erros ofensivos, o clube paulista passou a articular melhor as tramas ofensivas, criando espaços para Bennett e Ansaloni aparecerem, descontando um pouco a vantagem rubro-negra, ao final do primeiro quarto, 23 a 18.

 

Dominando os rebotes, 45 a 28, Pinheiros conseguiu faze seu jogo de transição (Daniel Vorley). 

 

   A recuperação no período anterior permitiu que a equipe da casa entrasse no segundo quarto próxima no marcador, mas foi através dos rebotes que o Pinheiros conseguiu a virada. Com Gemerson levando vantagem sobre os pivôs suplentes do rival, a equipe paulista caprichou na transição, com Neto, e recuperou a ponta. Depois de encontrar muitas dificuldades para superar a defesa por zona dos mandantes, o Fla contou o brilho de Marquinhos e auxílio de Mineiro, para sair da incômoda situação que se encontrava na parcial. Mas a verdade é que a equipe de César Guidetti era dona do período, e em bolas de três pontos de Bennett e Holloway, fechou o primeiro tempo na frente, 45 a 44.

 

   Na volta para o segundo tempo, o Pinheiros soube movimentar bem a bola, mesclando as bolas de segurança de Bennett e Teichmann, com tiro longo de Holloway, abrindo oito pontos de frente. Demonstrando tranquilidade, o clube da Gávea costurou a defesa adversária, explorando os espaços na área pintada, com Olivinha e Marquinhos, empatando a partida. Depois de algumas trocas de liderança, em belas jogadas de Ronald Ramon e Bennett, o clube paulista voltou a abrir. Defendendo melhor, levou o adversário a cometer faltas ofensivas. Na frente, seus norte-americanos souberam sair das dobras para ir em direção à cesta ou servir companheiros livres, 76 a 72.

 

 Rubro-negro buscou a recuperação mas não teve forças para virar a partida (Daniel Vorley).

 

  O Pinheiros veio para o último quarto mais agressivo, disposto a sacramentar a vitória. Dominando os rebotes dos dois lados da quadra (8 a 0), os mandantes tiveram mais volume de jogo, e souberam aproveitar esse fator para abrir dez pontos em bolas de Renan e Holloway, no perímetro. Essa vantagem, maior do jogo por sinal, deveria dar tranquilidade à equipe, mas não foi isso que aconteceu. Claro que não podemos tirar os méritos do Flamengo, que com a bagagem que tem, correu atrás do prejuízo, com destaque para o crescimento de seu capitão Marcelinho. Mas quando a equipe da casa, voltou a ter uma gordurinha no marcador, em lances de infiltração de Holloway, deveria ter aprendido a lição e controlado melhor a vantagem. Apesar disso, e dos lances importantes de Marquinhos e Ronald Ramon, o Pinheiros sacramentou o triunfo com o brilho individual de Holloway, que soube aproveitar bem os lances livres que teve, 102 a 98.
 

Please reload

Postagens Recentes
Please reload

Arquivo
Please reload

Procurar por tags