Bauru vence clássico contra o Mogi e se reabilita

04/09/2017

  Jogando ao lado de seu  torcedor, o Bauru conseguiu se reabilitar em grande estilo dentro do Campeonato Paulista. Ainda sem contar com seus principais jogadores, voltou a vencer o Mogi após quase dois anos. Apesar de levar vantagem no confronto, o último triunfo bauruense tinha sido na primeira fase do NBB8, em dezembro de 2015.

 

  A vitória tem um sabor ainda mais especial pois Bauru voltou a apresentar um balanço defensivo positivo, principal virtude na conquista do título nacional, e que havia comprometido um pouquinho o desenrolar dos últimos jogos, como lembra Demétrius: 

 

"Hoje na preleção eu falei que se jogarmos para 72 pontos, temos chances de vitória. Os jogos que vencemos foi abaixo dessa pontuação. O mais importante foi o sistema defensivo e vencemos uma equipe que está treinando ha mais tempo. Os meninos mostraram seu valor e que estão crescendo dentro do campeonato."

 

  Essa postura impôs muita dificuldade ao Mogi das Cruzes, que ficou abaixo do seu potencial. Mas, para Larry, cestinha do jogo com 20 pontos, outros fatores foram decisivos no revés mogiano, como a concentração:

"Teve alguns jogadores que não estavam tão focados. Isso reflete nos lances livres. Perdemos o jogo por quatro pontos, mas perdemos quinze lances livres, essas coisas pesam ao final do jogo. Mas o campeonato é assim e estamos bem na tabela."

 

 Anthony e Larry protagonizaram um duelo de tirar o fôlego (Victor Lira/Bauru Basket).

 

  Agora quinto colocado, Bauru volta à quadra na próxima quarta-feira, quando recebe o América, às 20 horas, já reforçado com Alex, Shilton e Hettsheimeir. Ainda na segunda colocação, o Mogi tem a semana livre antes de buscar a reabilitação, no sábado, diante do Osasco, às 19 horas, em casa.
 

O JOGO

 

  Diferentemente do que se desenhava para essa partida, até em função do estágio de preparação que as equipes se encontram nesse início de temporada, Bauru iniciou o jogo melhor. Com boa movimentação e participação decisiva dos novos reforços (Anthony, Isaac e Renan), o Dragão foi tomando conta da partida.

 

  Mas eles não foram os únicos a brilhar. Embora Anthony ditasse o ritmo da partida, foi através do aspecto coletivo que a equipe da casa começou a construir sua vitória. Com forte sistema defensivo, Bauru dificultou e muito as ações do Mogi, que fora de sua zona de conforto só foi pontuar na zona morta, com Larry e Rafa Moreira. A solidez defensiva deu tranquilidade para os mandantes acionarem Jaú e Maikão na área pintada, fechando o primeiro quarto com larga vantagem, 29 a 14.

 

  Se o Dragão fez um primeiro quarto irretocável, no segundo período a equipe não teve o mesmo equilíbrio. Embora iniciasse a parcial bem postada atrás, não apresentava a mesma volúpia ofensiva, cometendo erros na articulação das jogadas. Foi justamente essa segurança defensiva, aliada ao jogo irreconhecível que os mogianos vinham fazendo, que evitaram que os visitantes, à princípio, encostassem no marcador.

 

 Principais nomes do Mogi estiveram abaixo do esperado. Tyrone, por exemplo, anotou 8 pontos (Victor Lira/Bauru Basket).

 

  Só que toda a gordura acumulada por Bauru foi embora com a sequência de erros ao longo de todo o segundo quarto. Imprimindo uma marcação alta, desde o campo de ataque, Vitinho e Jimmy guiaram o Mogi a uma recuperação improvável. Machucando a defesa bauruense com roubadas de bola e trabalho individual de seus armadores, que constantemente foram parar na linha do lance livre, a equipe do Alto Tietê foi para o intervalo perdendo por apenas três pontos, 35 a 32.

  Vivendo um momento melhor na partida, os comandados de Guerrinha assumirem a liderança pela primeira vez logo no início do segundo tempo. Aproveitando os espaços criados a partir das jogadas de pick-and-roll, o Mogi emplacou uma sequência positiva com Shamell e Jimmy, preciso nos arremessos de média e longa distância, respectivamente.

  Bauru voltou a se encontrar na partida quando passou a cuidar melhor dos rebotes defensivos e deixar a bola sob cuidados de Anthony. O norte-americano usou toda sua velocidade e habilidade para explorar os contragolpes, pontuando na linha dos três pontos e servindo os alas-pivôs Gabriel Jaú e Renan, responsáveis pela reviravolta bauruense, 52 a 50.

 

Além de se aproximar de um duplo duplo, 10 pontos e 8 rebotes, Jaú apareceu muito bem na defesa (Victor Lira/Bauru Basket).

 

  Aquela partida estudada, disputa de lado a lado só foi vista mesma no último quarto. Atrás no placar durante grande parte do duelo, Mogi passou a ditar o ritmo de jogo. Com participação mais incisivas de seus companheiros, Shamell liderava o atual campeão estadual, que buscava as jogadas próximas à cesta.

 

  A tônica começou a mudar quando Anthony passou a ter a companhia de outros atletas nas ações ofensivas. Com maior colaboração de todo o quinteto, Bauru equilibrou a parcial, deixando o jogo aberto após boas infiltrações de Gui Santos e Stefano.

 

  Com menos de dois minutos para o final da partida, Bauru lidou melhor com o equilíbrio emocional e a proteção do garrafão, tarefa designada a Jaú e Renan. A boa marcação, somada ao controle de jogo de Anthony irritaram Shamell e Tyrone. Se aproveitando das faltas, uma delas técnica, Bauru fechou o jogo em 72 a 68.

 

 

Please reload

Postagens Recentes
Please reload

Arquivo
Please reload

Procurar por tags

LARANJA PULSANTE

Informações e análises dos principais campeonatos estaduais, nacionais e internacionais de basquete.

Laranja Pulsante © 2019 | Todos os direitos reservados