Caxias estreia com vitória diante do atual campeão brasileiro

15/11/2017

A partida entre Caxias e Bauru não foi um primor técnico, muito pelo contrário. Mas se em muitos momentos faltou inspiração e leitura de jogo que comprometeram a qualidade do duelo, não faltou emoção na vitória apertada mas importantíssima dos mandantes, pelo placar de 70 a 69.

 

Em sua estreia no NBB10, o Caxias soube superar a diferença técnica diante do rival com muita aplicação tática. Apertando a marcação, neutralizou as principais peças do Dragão, que esteve muito abaixo de seu potencial. Assim, o time da casa foi impondo seu ritmo de jogo com jogadas de velocidade e superioridade numérica, para assumir o controle de jogo.

 

Os paulistas até ensaiaram uma reação, escorada na melhora defensiva e no desempenho individual de alguns jogadores, como Hettsheimeir, dominante no garrafão, e os alas Isaac e Duda, que anotaram dez dos dezesseis pontos do Dragão no último quarto.

 

Apesar do revés, Duda tem se tornado cada vez mais importante para o Dragão (Victor Lira/Bauru Basket).

 

Mas quando teve a oportunidade de assegurar a vitória, abusou das bolas de três pontos e descuidou da marcação, sendo castigado justamente no perímetro, fundamento que as duas equipes tiveram péssimo aproveitamento. Os mandantes tiveram 14,3% de aproveitamento contra 25,9% dos visitantes.

 

O triunfo diante do atual campeão nacional em sua estreia dentro do NBB10 pode representar muito para o time de Rodrigo Barbosa. Isso porque vencer uma das equipes consideradas favoritas eleva muito a moral da equipe para a sequência da competição.

 

Por outro lado, o revés na casa do rival, ainda que no começo do temporada, não estava nos planos do Dragão. Com as vitórias nas duas primeiras rodadas e os tropeços de concorrentes diretos a uma vaga dentro do G4, Bauru poderia se isolar na liderança e aumentar a vantagem para rivais que não começaram tão bem no nacional.

 

O JOGO

 

Liderado por Alex, Bauru iniciou melhor a partida. Sob regência do Brabo, o time encontrou espaços na área pintada e largou na frente após bola de segurança de Isaac e enterrada de Shilton. Mas, da mesma maneira que Alex tinha facilidade para infiltrar e servir seus companheiros, Cauê Borges desfilava na área pintada, pontuando e servindo Marcão. O trabalho da dupla foi fundamental para o Caxias passar a frente e impôr seu estilo de jogo. 

 

Insatisfeito, Hudson modificou praticamente todo o quinteto, deixando apenas Alex em quadra. Mas nem com todas as trocas, Bauru conseguiu acertar a defesa. Com relativa facilidade, Pedro e Paranhos pontuaram próximo à cesta, aumentando a vantagem dos mandantes ao final do primeiro quarto, 23 a 17.

 

Bauru até voltou para o segundo período defendendo melhor, protegendo o garrafão e dificultando o ataque dos mandantes, mas não conseguiu transformar a crescente defensiva e os consequentes rebotes em produção ofensiva. Por mais que tivesse a oportunidade de contragolpear, os paulistas insistiam em arremessos de três pontos, mesmo com o baixo aproveitamento. Assim, Caxias recuperou a confiança, saiu em velocidade e definiu com inteligência, construindo sua maior vantagem na partida após arremessos de Marcão e Pedro (31 a 20).

 

A sequência acordou o Dragão, que finalmente passou a trabalhar próximo à cesta, com Gui Santos e Hettsheimeir. Abusando da imposição física, o pivô castigou o adversário com bolas à média distância e precisão nos lances livres, recuperando a liderança para os paulistas. Mas nos instantes finais, Cafferata e Marcão recolocaram os donos da casa em vantagem, 37 a 36.

 

O começo do segundo tempo foi completamente favorável ao Caxias. Liderado por Pedro e Cauê, os mandantes chegaram a abrir seis pontos de vantagem ainda nos primeiros minutos da etapa complementar. Bauru até chegou a equilibrar a parcial, na individualidade de Hettsheimeir, mas não demorou muito para a superioridade do time da casa aparecer. Muito mais ligado na partida, voltou a colocar a diferença na casa dos dígitos duplos com infiltrações precisas de Cauê Borges.

 

Alex não teve o mesmo volume ofensivo de outras partidas, mas manteve o Bauru na partida com solidez defensiva (Victor Lira/Bauru Basket).

 

Sem o mesmo desempenho de partidas anteriores, Alex chamou a responsabilidade e começou a mudar o rumo da partida. Com agressividade e leitura de jogo, o ala bauruense pontuou em infiltração e serviu Isaac na zona morta, diminuindo a desvantagem no placar, ao final do terceiro período, 56 a 53.

 

As duas equipes vieram para o último quarto ainda mais preocupado com o aspecto defensivo. Somando essa atenção com os inúmeros erros ofensivos, fica fácil de entender porque o placar pouco foi modificado nos primeiros minutos.

 

Mas, essa mesma sustentação defensiva permitiu ao Bauru assumir o controle das ações a partir da metade da parcial, quando brilhou o trabalho de Alex e Isaac. Seguros dos dois lados da quadra, a dupla recolocou o Dragão na dianteira. Aquela altura, nem Bauru conseguia desgarrar, por conta do excesso de jogadas individuais, nem o Caxias se aproximar, por conta dos inúmeros lances livres desperdiçados. 

 

Assim, a partida seguiu aberta até os instantes finais. Duda e Isaac chamavam a responsabilidade, aparecendo de forma segura nas bolas de três pontos, mas os mandantes respondiam com infiltrações de seus armadores, Cauê e Pedro. Assim, o time da casa se manteve na cola e teve a bola para virar o jogo, com 17 segundos no relógio. Foi então que Cauê Borges infiltrou, a defesa dobrou e Cauê Verzola apareceu sozinho na linha dos três pontos para colocar o Caxias na frente, a 4 segundos do final do jogo. Bauru ainda teve a oportunidade de um último ataque, mas pecou novamente na escolha da jogada e o placar não se alterou mais. Vitória dos mandantes, 70 a 69.

 

Please reload

Postagens Recentes
Please reload

Arquivo
Please reload

Procurar por tags

LARANJA PULSANTE

Informações e análises dos principais campeonatos estaduais, nacionais e internacionais de basquete.

Laranja Pulsante © 2019 | Todos os direitos reservados