Mogi vence o Pinheiros e se isola na liderança do NBB

21/12/2017

O Mogi das Cruzes venceu o tão aguardado duelo entre os líderes do NBB10. Mesmo jogando fora de casa, a equipe mogiana dominou o confronto, conteve a reação do rival e se isolou na liderança da competição com o triunfo por 73 a 66, em partida válida pela décima rodada do primeiro turno.

 

Desde os primeiros minutos, Mogi soube impor seu estilo de jogo, marcado pela velocidade na transição e pela contribuição do trio de norte-americanos no volume ofensivo da equipe, que apesar de ser menor que o do adversário, foi mais eficiente.

 

Além deles, Caio Torres também foi fundamental para o triunfo na capital paulista. Vindo do banco, respondeu muito bem quando acionado, terminando a partida com doze pontos, sendo quatro deles nos minutos finais, quando a partida ainda estava aberta.

 

Pelo lado pinheirense, destaque mais uma vez para o crescimento de Ruivo. Assim como Caio, Ruivo não começou entre os titulares, mas sua entrada deu uma nova dinâmica ao time. Atuando em parceria com Holloway e Bennett, auxiliou na proteção defensiva e recuperação de bolas, além de criar espaços para os gringos pontuarem.

 

Líder isolado, Mogi das Cruzes só volta a atuar em 2018, quando recebe o Paulistano, no Hugo Ramos, no dia 03 de janeiro, com transmissão do SporTV. Já o Pinheiros ainda tem dois compromissos antes do ano novo. Sem muito tempo para lamentar o revés, visita a Liga Sorocabana, já nessa sexta-feira. Na outra sexta, dia 29, recebe o Franca. Lembrando que as duas partidas do Pinheiros poderão ser acompanhadas pelo Twitter da Liga Nacional.

 

 

O JOGO

 

O confronto entre os líderes começou amarrado, deixando um pouquinho a desejar, embora seja compreensível toda a apreensão por conta da dimensão da partida. Quem controlou melhor as emoções no início da partida foi o Mogi das Cruzes. Abusando das jogadas em velocidade, marca registrada da equipe na competição, foi tomando conta do jogo com destaque para a contribuição dos norte-americanos e para a ponte área finalizada por Jimmy. Com dificuldade para entrar no garrafão adversário, bem protegido por Tyrone e Wesley Sena, o Pinheiros encontrou nas bolas de três pontos o desafogo ofensivo. Mas apesar dos arremessos certeiros de Bennett e Gemerson, os visitantes mantiveram a diferença próxima dos dez pontos graças a dois jogadores que vieram muito bem do banco, Filipin e Caio Torres, 23 a 15.

 

Apesar de Caio Torres inaugurar o marcador no segundo período, elevando a vantagem mogiana, foi o Pinheiros quem voltou após o final do primeiro quarto. Mais atento na marcação, pôde sair em velocidade e colocar em prática as principais movimentações ofensivas. Dessa maneira, os mandantes foram convertendo bolas de três pontos que o deixaram na cola do rival ainda na metade da parcial. O Mogi não deixou barato e tratou de equilibrar o período com destaque para a dupla formada por Shamell e Caio Torres, que combinaram para doze pontos somente no segundo quarto, 38 a 30.

 

 Tyrone mais uma vez foi o destaque da partida, com duplo duplo, 11 pontos e 11 rebotes (Antonio Penedo).

 

Na volta para a etapa complementar, o duelo ganhou um capítulo interessante. Com os times movimentando rapidamente a bola, as defesas acabaram fazendo toda a diferença no período. Em um primeiro momento, o Mogi soube controlar o Pinheiros e desgarrar ainda mais no marcador com arremessos certeiros de longa distância de Larry e Shamell, assim como cortes e bolas de segurança de Jimmy. Foi então que César Guidetti trouxe Ruivo para quadra, colocando o garoto para atuar com Holloway e Bennett, em uma formação mais baixa, porém mais agressiva. Assim, os mandantes neutralizaram o ataque mogiano, saíram em velocidade, com muita verticalidade, anotando doze pontos em sequência, reduzindo a diferença para apenas uma posse de bola. No entanto, já na última ação do quarto, Larry infiltrou e deu um respiro ao Mogi, 51 a 46.

 

A crescente pinheirense caiu por terra no início do último período. Isso porque o Mogi soube trabalhar a posse de bola no ataque, machucando a defesa adversária com infiltrações e lances de bonificação. Assim, os visitantes não apenas se distanciaram no marcador, como também tiraram a principal arma ofensiva dos mandantes, que começaram a perder o controle emocional, cometendo faltas técnicas. Para contornar a situação, o Pinheiros tratou de dobrar a marcação nos homens mais altos do rival e foi aos pouquinhos voltando para o jogo, com base nas bolas recuperadas por Bennett e Holloway, que diminuíram a desvantagem para apenas três pontos. No entanto, Mogi soube fazer a leitura correta na contraofensiva, carimbando a vitória com participação fundamental de Caio Torres próximo à cesta, 73 a 66.

 

Please reload

Postagens Recentes
Please reload

Arquivo
Please reload

Procurar por tags