Flamengo derruba invencibilidade do Vitória em Cajazeiras e se mantém na liderança

16/01/2018

No duelo que colocava frente a frente a invencibilidade do Vitória e do Flamengo, melhor para o rubro-negro carioca, que venceu os donos da casa, por 76 a 68, impôs a primeira derrota do Leão diante de sua torcida e, de quebra, manteve a supremacia diante do rival e a liderança do NBB.

 

Mas para manter a sequência positiva e conseguir todos esses feitos de uma só vez, o Flamengo teve de suar e abrir mão de suas principais virtudes, além é claro de mostrar um elemento surpresa, já que o estudo é cada vez mais presente nas preleções.

 

Assim, com Marquinhos liderando, Olivinha e JP Batista desequilibrando e Rhett contribuindo de maneira satisfatória vindo do banco, o Flamengo conseguiu controlar o desgaste físico (contou com apenas oito atletas do elenco adulto) e superar um adversário pra lá de complicado.

 

Discreto nos últimos jogos, Olivinha voltou a jogar bem e anotou quinze pontos (Maurícia da Matta/EC Vitoria).

 

Por falar nesse, é notório como Régis tem o controle da equipe. Priorizando pela intensidade defensiva, modificou diversas vezes seu quinteto, em busca de uma formação ideal para cada período da partida.

 

Essa preocupação vem sendo fundamental no crescimento do Leão na competição. Embora ainda apresente algumas oscilações, tem feito grandes jogos e conquistado vitórias importantes, como a do último domingo, diante do Minas. 

 

Hoje o calo era um pouquinho mais embaixo e a queda de rendimento ofensivo no último período, aliado ao poderio do adversário, falou mais alto que a organização defensiva implementada pelo treinador rubro-negro.

 

Com o triunfo, o Flamengo se mantém na liderança do NBB, com 11 vitórias em 13 jogos, jogando um balde de água fria na torcida francana, que acumula o mesmo número de resultados positivos, mas com uma partida a mais. O Vitória também sustenta a mesma posição (8ª), com 7 vitórias em 14 rodadas, mas perde a oportunidade de subir ao sétimo lugar, se aproveitando do tropeço do Caxias para o Paulistano.

 

O JOGO

 

Como de costume, o Vitória iniciou a partida imprimindo um forte ritmo de jogo. Apresentando uma defesa agressiva e um equilíbrio interessante na movimentação e distribuição do volume de jogo, assumiu o controle da partida após os arremessos certeiros de três pontos de Okorie e Dawkins. Mas não demorou muito para o Flamengo se acertar e dar um novo rumo ao duelo.

 

Até então dependente dos tiros de média distância de Ramon, o rubro-negro carioca contou com a "entrada" de Marquinhos na partida para não só equilibrar as ações, como recuperar a dianteira. Incisivo nos dois lados da quadra, o ala levava ampla vantagem nas infiltrações, que terminaram em assistências para a dupla de pivôs do Mais Querido, Olivinha e JP Batista, 24 a 17.

 

O segundo quarto teve um início mais equilibrado. Ainda que os mandantes tenham sido ligeiramente superiores nos primeiros minutos, com destaque para a articulação de André Goes e boa prestação de Arthur, o Flamengo mantinha a vantagem com as jogadas de Arthur Pecos, ora assistindo, ora pontuando. 

 

Mas, com o passar do tempo, o Vitória controlou o trabalho de cinco contra do rival, recuperando bolas e tendo o contragolpe a seu favor. Com superioridade numérica, explorou Kurtz, dentro do garrafão, e a artilharia pesada de Okorie, no perímetro, para virar o primeiro tempo à frente, 42 a 40.

 

Okorie castigou a defesa rubro-negra mas nem mesmo o belo desempenho foi capaz de evitar a derrota do Leão (Maurícia da Matta/EC Vitoria).

 

Assim como no período anterior, os rivais aumentaram a intensidade no início da parcial, mas o que prevaleceu mesmo foi o equilíbrio no marcador. Correndo atrás da recuperação, os visitantes concentraram as investidas nas mãos do norte-americano Rhett, que veio muito bem do banco. Do outro lado, os mandantes respondiam em arremessos de segurança de Kurtz e Dawkins, fazendo com que os times se alternassem na liderança do marcador.

 

A partir de então, Flamengo e Vitória passaram por altos e baixos dentro da parcial. Sob batuta de Marquinhos, o rubro-negro carioca chegou a abrir seis pontos, mas Okorie voltou à quadra, emplacou dois cortes em direção à cesta e serviu Mariano, que diminuiu a desvantagem no placar ao final do terceiro quarto, 60 a 57.

 

Apesar da crescente do Leão, foi o Flamengo quem iniciou melhor o último período. Ainda que tenha enfrentado forte resistência defensiva, os comandados de Neto souberam selecionar seus arremessos e colocaram a diferença pela primeira vez acima dos dez pontos com grande contribuição de sua dupla de pivôs, JP e Olivinha.

 

Com dificuldade para trabalhar no cinco contra cinco, o Vitória só foi se encontrar quando Dawkins chamou a responsabilidade para si. Apagado até então, o armador anotou cinco pontos consecutivos, dando sobrevida a sua equipe. No entanto, o Flamengo administrou a vantagem, minando a remontada dos donos da casa, 76 a 68.

 

Please reload

Postagens Recentes
Please reload

Arquivo
Please reload

Procurar por tags