Mesmo poupando alguns titulares, Bauru vence Joinville com facilidade

01/02/2018

O Bauru Basket não teve muitas dificuldades para vencer o Joinville. No retorno ao Panela de Pressão após três jogos como visitante, o time paulista não tomou conhecimento e venceu a equipe catarinense por 88 a 41, em partida válida pela terceira rodada do segundo turno do Novo Basquete Brasil.

 

O placar fica ainda mais expressivo se levarmos em conta que o Dragão poupou alguns jogadores durante grande parte do embate, de modo com que nenhum deles atuassem por mais de vinte e três minutos, marca registrada por Alex Garcia, sempre intenso.

 

À medida que controlou a minutagem do elenco, Demétrius abriu espaços para que atletas da segunda unidade também tivessem mais tempo de quadra, ganhando experiência e sensações novas, como o próprio comandante ressaltou ao final do duelo.

 

"Todo mundo vai ser importante e precisa ter esse tempo de quadra. Nós fizemos com que eles entrassem na partida, para sentirem a importância de iniciar um jogo e, quem estivesse no banco a importância de contribuir. São sensações e momentos diferentes que vão contribuindo para o crescimento da equipe."

 

Entre os titulares estavam Stefano, Jaú e Osvaldo, que fez sua primeira partida pelo Dragão na Panela de Pressão. Após a partida, o lituano revelou estar ansioso pela estreia, principalmente pelo que viu nos jogos contra o Cearense e o Vitória, quando ficou de fora por uma lesão no pé.

 

“Eu estava muito ansioso para jogar aqui. Foi uma boa partida, com uma atmosfera incrível, com a torcida nos apoiando como sempre. Acredito que a vitória veio porque estávamos todos focados desde o começo."

 

 Osvaldo deixou a quadra com sete pontos e duas assistências (Victor Lyra/Bauru Basket).

 

Se por um lado tudo foi motivo de festa, do outro a história foi completamente diferente. Apático, o Joinville passou longe de ameaçar a equipe bauruense, não conseguindo sustentar nem uma defesa, nem um ataque equilibrado. Até mesmo Tiagão, pivô joinvillense, reconheceu a partida ruim da equipe, tocando sem medo nas feridas criadas pela sequência negativa do clube.

 

"É uma equipe candidata ao título, bem formada e trabalhada pelo Demétrius. Sabíamos que seria um jogo bem difícil, o que não queríamos era tomar essa diferença de pontos. E outra, fazendo onze pontos por quarto, não dá pra ganhar de ninguém, nem de time de categoria juvenil. Temos de trabalhar a nossa cabeça, não podemos acomodar. Temos de sentar e conversar, porque erramos muito."

 

Com o triunfo tranquilo dessa noite, Bauru segue perseguindo o G4 da competição, somando agora doze vitórias em dezessete partidas. Já o Joinville permanece dentro do grupo de equipes que se classificariam aos playoffs, com quatro vitórias em dezesseis duelos, mas observado de perto pelo Campo Mourão, que venceu o Minas no começo da semana.

 

 

O JOGO

 

O Bauru Basket iniciou a partida com uma formação alternativa, preservando alguns titulares e dando oportunidades para jogadores da segunda unidade, como os jovens Stefano e Jaú, além de Osvaldo, que fazia sua estreia no Panela de Pressão. Mantendo a filosofia defensiva, o quinteto bauruense conseguiu algumas recuperações, mas apresentava dificuldades para desenvolver seu jogo na contra-ofensiva. Aproveitando-se disso, Stocs converteu duas jogadas para três pontos, dando a liderança para o Joinville.

 

Mas o Dragão foi se encaixando, equilibrando as investidas entre as bolas de três pontos de Osvaldo e Alex, e também nas bolas de segurança com os pivôs, Hettsheimeir e Jaú, passando à frente ainda na metade da parcial. Após o tempo técnico pedido por George Salles, os visitantes tentaram responder, mas pecaram na finalização das jogadas e acabaram castigados pelo contragolpe dos donos da casa, que já contavam com Isaac e Renan na composição do quinteto, 20 a 10.

 

O domínio bauruense, que já vinha se desenhando ao final do quarto anterior, ficou evidente no segundo período, e muito por conta de Anthony. O armador, que havia entrado apenas nos instantes finais do primeiro quarto, só não fez chover no Panela de Pressão. Com um vasto repertório, infiltrou, anotou bola de três pontos, levantando a torcida. O Joinville até tentou responder, com Socas e Tiagão, mas na jogada mais da bonita da partida, costurou toda a defesa adversária, tabelou com Osvaldo antes de deixar Stocs no chão e converteu mais um arremesso, colocando a diferença em dezessete pontos. 

 

Na reta final do primeiro tempo, Anthony deixou a quadra, mas Alex assumiu o comando das ações e não fez por menos. Imponente dos dois lados da quadra, protegeu o garrafão bauruense, levando Stocs a cometer duas violações. Com a laranjinha em mãos, converteu oito pontos consecutivos, provenientes de duas bolas de três pontos e uma bandeja. Na sequência, o Brabo ainda serviu Maikão, que deu números finais ao primeiro tempo, 49 a 21.

 

O intervalo não esfriou o ímpeto do Bauru. Agressivo na defesa e veloz na construção ofensiva, os mandantes abriram trinta e cinco pontos de vantagem após as infiltrações precisas de Osvaldo e Hettsheimeir, que também anotou tiro de três pontos na cabeça do garrafão. 

 

Com dificuldades para romper a defesa bauruense, os catarinenses priorizaram as os arremessos de três pontos. Mas sem sucesso no perímetro, o Joinville acabou dando quadra para o Dragão contra-atacar. Com segurança para arriscar, Bauru alternou entre ligações diretas da defesa para o ataque, com jogadas organizadas por Stefano e Alex, que serviram Hettsheimeir e Shilton próximos à cesta, 70 a 30.

 

Mesmo com a minutagem controlada, Hettsheimeir se aproximou de um duplo duplo: 11 pontos e 8 rebotes (Victor Lyra/Bauru Basket).

 

Diferentemente dos períodos anteriores, o início do último quarto foi um pouco mais equilibrado. À frente no marcador, Bauru começou a parcial melhor, principalmente por conta dos arremessos de três pontos de Anthony e Isaac. Do outro lado, o Joinville, muito mais preocupado com a evolução da equipe pensando no próximo jogo, equilibrou as ações com a contribuição de Tiagão, que anotou dentro e fora do garrafão.

 

Nos minutos finais, Demétrius deu tempo de quadra para Maikão e Henrique, jovens formados no clube. O pivô aproveitou melhor a oportunidade, anotando seis pontos e capitalizando três rebotes, números que preenchem uma vitória incontestável do Dragão, 88 a 41.

 

Please reload

Postagens Recentes
Please reload

Arquivo
Please reload

Procurar por tags