Na estreia de Varejão, Flamengo vence Campo Mourão com tranquilidade

02/02/2018

A estreia de Anderson Varejão no Novo Basquete Brasil, pelo Flamengo, não poderia ser melhor. Fazendo parte de um elenco bem montado, o pivô já contribuiu em mais um triunfo rubro-negro, dessa vez sobre o Campo Mourão, por 92 a 69, na Arena Carioca 1.

 

Em pouco mais de 17 minutos, Varejão, mesmo ainda carecendo de um ritmo e entrosamento mais apurado, demonstrou boa leitura de jogo. Seguro na proteção ao garrafão e colaborativo no ataque, deixou a quadra com quatro pontos, sete rebotes e cinco assistências.

 

 Mais cedo, Varejão havia sido convocado para defender a seleção brasileiras nas eliminatórias (Staff Images/Flamengo).

 

 

Ao final do duelo, Varejão minimizou a atuação individual, valorizando a campanha do Mais Querido como fundamental para a sequência do campeonato.

 

“Falei com o pessoal do time antes da partida: ‘estou chegando para somar, vocês já estão fazendo um grande campeonato’. Vou entrando no ritmo pouco a pouco. Fiz dois jogos pela Seleção e ainda tenho muito a ganhar. Os números são o de menos, o que importa mesmo é conquistar a vitória."

 

Mas a noite não foi apenas de Varejão, mas sim do Flamengo como um todo. Com diversas variações táticas, o Mais Querido conseguiu tirar proveito do melhor de cada peça, prezando por por um jogo coletivo. Assim, cinco jogadores pontuaram acima dos dez pontos (Rhett, Cubillan, Marquinhos, JP e Ramon), dificultando a marcação adversária.

 

Por falar nisso, o Campo Mourão até chegou a liderar o confronto nos primeiros minutos, mas aos poucos a diferença técnica e de profundidade de elenco foram aparecendo, dificultando a vida dos paranaenses, que equilibrou a pontuação na área pintada, mas permitiu inúmeros rebotes ofensivos ao rival.

 

Com o triunfo, o Flamengo segue na liderança do NBB, com quatorze vitórias em dezesseis jogos. Já o Campo Mourão, que havia se reabilitado no começo da semana, estacionou em três triunfos em dezoito partidas, na décima terceira colocação.

 

O JOGO

 

O Flamengo até saiu na frente, em duas infiltrações muito parecidas de Cubillan, mas foi o Campo Mourão quem começou o jogo melhor. Usando do pick-and-roll para causar desequilíbrio na defesa rubro-negra, os visitantes encontraram espaço na zona morta, para assumir  o controle da partida, com Pastor e Hélio.

 

Mas não demorou muito para o líder da competição dar um outra cara ao confronto. Modificando praticamente todo o quinteto, conseguiu desenvolver seu jogo com uma defesa segura e uma movimentação ofensiva que passava muito pelas mãos de Anderson Varejão. Além de distribuir quatro assistências para os arremessos de Marcelinho e Cubillan, no perímetro, o pivô anotou seus primeiros pontos, dando números finais ao primeiro quarto, 22 a 12.

 

Nem mesmo a pausa obrigatória esfriou o ritmo rubro-negro, que contou com a pontaria afiada de Rhett para deslanchar. Convertendo todos os quatros arremessos tentados à média distância, o ala-pivô foi fundamental para que o clube colocasse a diferença na casa dos vinte pontos ainda nos dois primeiros minutos do segundo período.

 

Os mourãoenses até chegaram a emplacar uma boa sequência. Liderado pelos pivôs da equipe, em especial César, que levou a melhor no duelo particular com Varejão, chegaram a reduzir a desvantagem para "apenas" quatorze tentos. Só que, a cada cesta dos visitantes, o Flamengo pontuava, ora com Marquinhos, ora com JP, mantendo a situação sobre controle, 48 a 28 .

 

Adaptado ao estilo de jogo rubro-negro, Rhett terminou a partida como cestinha, com 17 pontos (Staff Images/Flamengo).

 

Os primeiros minutos do segundo tempo deram a falsa impressão de que o período seria equilibrado. Ledo engano. Distribuindo a pontuação entre todos os jogadores em quadra, mas em especial Ramon, o Mais Querido colocou vinte e sete pontos de diferença, obrigando Emerson de Souza a pedir tempo.

 

Na volta para quadra, Campo Mourão melhorou. Mais agressivo, conseguiu assegurar rebotes importantes dos dois lados da quadra, condição que deu equilíbrio para a equipe infiltrar e diminuir o prejuízo parcial na linha do lance livre, 71 a 48.

 

A melhora dos visitantes ficou ainda mais clara no começo do último quarto. Equilibrando as ações entre os arremessos de segurança de Mathias, com o tiro longo de Pastor, Campo Mourão abaixou a diferença para menos de vinte pontos, algo que a equipe perseguia desde a metade do segundo período.

 

Ainda assim, a vantagem rubro-negra era muito confortável, dando tranquilidade para o time se encontrar, freando a crescente do rival com destaque para Rhett, autor de enterrada e bola de três pontos em um intervalo de um minuto. Com a moral restabelecida, coube ao Flamengo apenas deixar o tempo passar, confirmando a vitória por 92 a 69.

 

Please reload

Postagens Recentes
Please reload

Arquivo
Please reload

Procurar por tags