Com grande segundo quarto, Franca vence Bauru

07/02/2018

O clássico do basquete paulista e nacional terminou com triunfo francano. Mesmo atuando fora de casa, Franca venceu o Bauru, por 81 a 60, em pleno Panela de Pressão, em duelo válido pela quinta rodada do segundo turno do Novo Basquete Brasil.

 

Como previsto, Franca confirmou o favoritismo adquirido pela profundidade do elenco, montado a dedo para essa temporada, com direito a contratação de Leandrinho. Se não bastasse a montagem equilibrada dos visitantes, os donos da casa chegaram para o confronto desfalcados de seus principais jogadores, Alex Garcia e Hettsheimeir, baixas por conta de uma Gastroenterite e desconforto na panturrilha direita, respectivamente. Para a Liga das Américas, Hettsheimeir não deve ser problema, mas o quadro do Brabo preocupa e as chances dependerão da evolução da recuperação do jogador.

 

Por falar em Leandrinho, o ala que acumula anos e anos de NBA, voltou ao Ginásio que o projetou para a principal liga de basquete do mundo, depois de 15 anos. Apesar do longo período, Leandrinho mostrou que ainda conhece cada canto do Panela de Pressão, deixando a quadra como cestinha com 22 pontos.

 

Durante o confronto, Leandrinho recebeu muitas vaias como forma de protesto pela sua saída conturbada e por hoje atuar no principal rival do Dragão. Ao final do duelo, Leandrinho minimizou a manifestação da torcida e de Caio Coube, ex-presidente da equipe bauruense, que marcou presença e fez coro aos demais torcedores.

 

"Me senti bem, graças a Deus. Feliz de voltar à Panela de Pressão, foi aqui que fui campeão brasileiro antes de deixar o país, tenho um carinho muito grande pela cidade, pela torcida e todos que querem meu bem. Eu não tenho mágoa nenhuma, infelizmente aconteceram algumas coisas extra-quadra e eu não tive culpa alguma. Aconteceu uma coisa que eu não queria e por isso, infelizmente, não pude mais voltar a Bauru, uma cidade que eu amo e que gritou muito por mim quando estive por aqui."

 

Caio Coube era presidente da equipe bauruense quando Leandrinho deixou o clube rumo à NBA (Gustavo Garlet).

 

Um dos líderes do elenco bauruense, Shilton lamentou o resultado, mas pede atenção total na Liga das Américas, que começa na sexta para o Dragão, e se estende até domingo. Para o pivô, é preciso tirar apenas as lições da derrota, sem deixar se abalar pelo resultado negativo.

 

"Temos de mudar a chave, esse é o segredo. É importante que a gente saiba aonde errou, para corrigir e melhorar. A Liga das Américas é diferente, mas ajuda muito jogar em casa. Não precisamos viajar, passar pela adaptação, mas isso não é garantia nenhuma, mas não deixa de ser importante. Temos de usufruir da torcida e fazermos nossa parte."

 

Fato é, que o triunfo francano tem grande impacto para o NBB. Isso porque a equipe de Helinho chega a décima quinta vitória em dezenove jogos, três a mais que o rival, que leva a pior no critério de desempate, ficando cada vez mais distante do G4.

 

O JOGO

 

Mesmo atuando fora de casa e diante de uma boa marcação dos mandantes, foi Franca quem iniciou a partida melhor.  Aproveitando da velocidade de todo seu quinteto, explorou os contragolpes para largar na frente, em infiltrações de Coelho e Leandrinho, que no retorno ao Panela, anotou seus primeiros pontos  na linha do lance livre. Aos poucos, Bauru ajustou a recomposição defensivo, passando em frente em jogadas envolvendo Shilton e Isaac.

 

No decorrer do período, Franca trouxe para quadra sua força máxima, deixando Leandrinho, Leo Meindl e Jefferson juntos no certame. A trinca causou problemas a defesa bauruense, que tentava conter a movimentação com trocas, embora algumas vezes não tenha surtido efeito. No final, após falta antidesportiva de Pedro em Anthony e arremesso curto de Duda, o Dragão buscou o empate, 15 a 15.

 

Na volta para o segundo período, Franca mais uma vez saiu em vantagem, em infiltração de Pedro, mas logo depois o ala-armador foi punido com falta técnica e acabou expulso. Na sequência, Maikão deu toco em cima de Coelho e ligou contragolpe com Anthony, que encaçapou na cabeça do garrafão, levantando a torcida e obrigando Helinho a pedir tempo.

 

Anthony deixou a quadra com dezenove pontos, insuficientes para evitar o tropeço do Dragão (Victor Lira/Bauru Basket).

 

Os visitantes voltaram melhores após a parada. Explorando as trocas na marcação bauruense, Leo Meindl emplacou cinco pontos consecutivos e ainda serviu Cipolini, que cravou para recuperar o controle de jogo a favor do Franca. O Dragão até chegou a recuperar algumas posses de bola, com um garrafão protegido pela trinca envolvendo Renan, Jaú e Shilton, mas o momento era favorável ao adversário, em especial de Leo e Leandrinho, responsáveis por colocar a diferença na casa dos dígitos duplos, 40 a 29.

 

A diferença francana, que já era confortável, ficou ainda maior no início da etapa complementar. Não que Franca tenha sido brilhante, mas conseguiu através da individualidade de Leandrinho aproveitar melhor as oportunidades, enquanto Bauru seguia desperdiçando contragolpes cometendo violações, como andadas e faltas de ataque, precipitações que permitiram ao rival abrir vinte pontos de frente.

 

Leandrinho e Leo Meindl, que passaram por Bauru, ditaram o ritmo da partida (Victor Lira/Bauru Basket).

 

O duelo, que vinha sendo conduzido em espécie de banho maria por parte dos visitantes, ganhou um novo ingrediente a partir da metade do terceiro quarto. Impulsionado pela boa organização defensiva da segunda unidade, o Dragão encontrou na articulação de Anthony e na pontaria de Osvaldo e Duda, uma maneira efetiva de enfrentar o rival. Sem o mesmo ímpeto, Franca só conseguiu pontuar e frear a crescente dos mandantes, por meio dos lances livres, 61 a 46.

 

No início do último período, Bauru até chegou a anotar os primeiros pontos, em arremesso curto de Duda, mas não conseguia encontrar o mesmo equilíbrio da parcial anterior, permitindo infiltrações de Rafa Luz, além de apresentar baixo aproveitamento no perímetro, mesmo em boas condições de arremate. A combinação favoreceu o adversário, que de bandeja em bandeja, abriu vinte cinco pontos a quatro minutos do final do jogo.

 

Mesmo com pouco tempo, os adversários não diminuíram a intensidade, e no duelo solto, de troca de ataques, os mandantes acabaram diminuindo o prejuízo, com direito a dois tocos de Maikão e arremesso de Osvaldo, dando números finais ao confronto, 81 a 60.

 

Please reload

Postagens Recentes
Please reload

Arquivo
Please reload

Procurar por tags