Paulistano se impõe e faz nova vítima

03/03/2018

O Paulistano fez mais uma vítima no Novo Basquete Brasil. Atuando mais uma vez no Ginásio Antônio Prado Jr, deu sequência ao excelente momento e bateu o Vasco da Gama, por 102 a 59, chegando agora a vinte jogos de invencibilidade na competição.

 

Assim como ao longo de toda a sequência, o Paulistano apresentou um ritmo intenso, tanto na defesa, bem protegida, quanto no ataque, que movimentava rapidamente a bola, distribuindo o volume de jogo entre bolas de dois e três pontos, causando imensos problemas ao cruz-maltino.

 

De quebra, ainda se tornou a primeira equipe da história a terminar a fase regular com 100% de aproveitamento dentro de casa, encerrando a campanha como mandante com quatorze vitórias. Curiosamente, Bauru foi a única equipe a vencer o elenco de Gustavinho na capital paulista, porém o Dragão cumpriu punição e atuava como mandante.

 

Com o resultado positivo, o Paulistano mantém a liderança da competição, com vinte e duas vitórias em vinte e cinco jogos. A equipe busca, nos últimos três compromissos, confirmar a primeira colocação. Para não depender de outros resultados, basta vencer, fora de casa, o Campo Mourão, Joinville e Caxias.

Da mesma maneira, o Vasco desperdiça a oportunidade de ultrapassar o Basquete Cearense e permanece na décima primeira colocação, com dez triunfos em vinte e quatro partidas. O Gigante da Colina tentará, nos últimos quatro jogos, confirmar a classificação aos playoffs e, quem sabe, uma posição mais confortável, já visando o emparelhamento das oitavas.

 

O JOGO

 

Mesmo jogando fora de casa, o Vasco começou o duelo de maneira mais segura. Cadenciando bem o ritmo de jogo, para tirar uma das principais armas do Paulistano, o cruz-maltino foi tomando conta do jogo, especialmente com sua dupla de pivôs, formada por Renato e Giovannoni, abrindo 11 a 6 na metade da parcial.

 

O problema é que as trocas foram acontecendo naturalmente, e sem Fúlvio em quadra, os cariocas não apresentaram a mesma organização. Precipitando arremessos na linha dos três pontos, que não só frearam sua produção ofensiva, como também deram a transição aos mandantes, o Vasco acabou castigado no contragolpe. Em velocidade, Lucas Dias e Yago comandaram a reação do líder, que abriu dez pontos de vantagem após jogada individual do armador, que deixou Alexei no chão antes de converter arremesso de três, 26 a 16.

 

A diferença, que já era alta, ficou ainda mais dilatada nas primeiras ações do segundo período, quando a dupla voltou a pontuar, colocando-a em quinze pontos. Mas nem tudo foram flores para o Paulistano. Em infiltração, Yago torceu o tornozelo direito e teve de deixar a quadra. Além da ausência de seu motorzinho, os donos da casa ainda viram o rival voltar a trabalhar a posse de bola, equilibrando a parcial em arremessos de Gustavo e Jackson.

 

Mas não demorou para os mandantes desgarrarem. Agressivo na marcação e extremamente veloz no ataque, os comandados de Gustavinho atropelaram o Vasco da Gama. Liderado pela quebra defensiva de Yago e pelo desempenho impecável de Deryk no perímetro (4/4), o Paulistano foi para os vestiários com vinte e seis pontos de frente, 57 a 31.

 

Um dos sete jogadores a pontuar na casa dos dígitos duplos, Yago foi preservado no segundo tempo (Davi Tiago).

 

Na volta para a etapa complementar, os rivais procuraram o jogo mais próximo à cesta, de maneira a serem mais efetivos. Assim, Renato, em duas infiltrações, chegou a diminuir a diferença para o cruz-maltino, mas o Paulistano respondeu rapidamente, empatando o período em enterradas de Jonathan e Nesbitt.

 

Com naturalidade, os donos da casa aumentaram ainda mais a vantagem no marcador. Ajustando a marcação em cima dos pivôs adversários, conseguiu encaixar bons trabalhos defensivos que lhe deram tranquilidade para trabalhar na contra-ofensiva. Mesmo atuando em um ritmo mais abaixo do que vem sendo característica da equipe, os mandantes foram para o último período vencendo por trinta e dois pontos, após boa colaboração de Jonathan e Guilherme, 78 a 46.

 

O final de jogo até poderia ser mais cadenciado e burocrático, mas essa não é a cara das equipes comandadas pelo Gustavinho. Mantendo a postura agressiva, o Paulistano dominou o garrafão, reforçado por Lucas Dias, Vitão e Nesbitt. Tamanha superioridade ficou refletida no marcador, vitória incontestável, por 102 a 59.

 

Please reload

Postagens Recentes
Please reload

Arquivo
Please reload

Procurar por tags