Impecável na defesa, Bauru bate o Paulistano na capital paulista e empata série

05/05/2018

O Bauru Basket voltou a roubar as atenções no Novo Basquete Brasil. Depois de perder o primeiro confronto da série contra o Paulistano dentro de casa, a equipe se redimiu e devolveu a derrota ao superar o rival dentro do Ginásio Antônio Prado Jr, na capital paulista, por 70 a 59, empatando a série em 1 a 1.

 

Pressionado pelo revés dentro de casa, que aumentava ainda mais a vantagem do rival, que já tinha o mando de quadra, o Dragão recuperou a solidez defensiva, mandando e desmandando na partida, algo que o Paulistano poucas vezes tinha enfrentado na competição, especialmente dentro de casa, onde na teoria a equipe não havia perdido na primeira fase (Bauru venceu a abertura dentro do Antônio Prado mas o mando era bauruense).

 

Mais do que quebrar o tabu mantido pelo rival, o triunfo era fundamental para a equipe se manter viva na competição e ganhar moral, que estava elevada com a classificação épica sobre o Franca. Assim como no duelo contra os francanos, Demétrius montou um plano defensivo extremamente eficaz, causando desconforto ao Paulistano, que saiu de sua zona de conforto.

 

Diminuindo o ritmo de jogo, tirou a velocidade do rival, que mesmo diante da marcação mista bauruense, não teve a confiança, que outrora sobrava, para queimar arremessos de três pontos. Oportunidades e tentativas não faltaram, mas àquela altura, com a confiança em xeque e o garrafão bem protegido por todas as peças, os mandantes não puderam fazer frente ao domínio bauruense.

 

Mesmo com menor rotação decorrente dos desfalques e acúmulo de faltas de Shilton, Bauru doutrinou na área pintada, com Jaú sendo um dos pilares ao assegurar dez rebotes (Victor Lira/Bauru Basket)

 

 

A superioridade ficou evidente na coletividade mas pode ser expressa também na individualidade, principalmente de Hettsheimeir. Um dos favoritos ao título de MVP da temporada regular, o pivô fez mais uma grande partida, somando 23 pontos e 14 rebotes, alcançando mais um duplo-duplo na temporada.

 

Deixando o desempenho particular de lado, Hettsheimeir, em entrevista ao SporTV, deu créditos ao trabalho defensivo da equipe, que vem se superando para driblar as baixas sofridas ao longo do campeonato.

 

"Conseguimos fazer um bom trabalho defensivo para conquistar essa vitória. A equipe inteira sabe das dificuldades sem o Alex. Mas todo o time está colocando seu suor e seu grãozinho de areia para compensar isso em quadra."

 

Apesar do evidente domínio do adversário, o Paulistano não modificou sua maneira de atuar, mantendo-se fiel ao jogo no perímetro, fundamento que a equipe dominou nessa temporada, credenciando-a ao uma das postulantes ao título da competição.

 

Ao final da partida, o armador da equipe, Elinho, reconheceu a partida abaixo da média da equipe, mas refutou a ideia do time modificar seu estilo de jogo, mostrando confiança em si mesmo e nos demais companheiros, para uma pronta recuperação dentro da série.

 

"Nosso ataque ficou abaixo. Não estamos acostumado a fazer 59 pontos e assim não conseguiremos ganhar de ninguém. Acho que não precisamos mudar nossa postura, é seguir trabalhando que daremos a volta por cima com certeza."

 

Com a série empatada, está confirmada a realização do quarto jogo entre as equipes para o próximo sábado, dia 12 de maio, às 14:00, no Ginásio Panela de Pressão, em Bauru. Antes disso, já na próxima terça-feira, às 19:30, os adversários medem forças, novamente na capital paulista, para ver quem passa a frente, se colocando em ótima posição dentro da série.

 

O JOGO

 

Quem esperava um duelo de alto nível entre Paulistano e Bauru Basket teve de esperar alguns minutos. Precipitando alguns arremessos, os rivais demoraram a movimentar o marcador, que só foi inaugurado depois de dois minutos, em cesta de Lucas Dias. Mas foi o Dragão quem se estabeleceu na partida.

 

Recuperando a organização defensiva que o colocou na semifinal, anulava a movimentação dos mandantes, tirando-os de sua zona de conforto. Mesmo com quadra para sair em velocidade, os visitantes cadenciaram o ritmo, contando com boa aparição de Isaac para se impor, colocando a diferença em dez pontos. No final da parcial, Yago e Deryk diminuíram o prejuízo, 18 a 14.

 

Isaac mais uma vez se tornou peça importante na partida, ao dividir a produção ofensiva, anotando dezoito pontos (Victor Lira/Bauru Basket)

 

O segundo período foi um verdadeiro estica e puxa. Ainda na primeira movimentação, Deryk diminuiu a desvantagem para apenas um pontinho, mas o Bauru logo se recuperou, recolocando a diferença próximas dos dez pontos com consistência defensiva e ataque colaborativo. Foi então que o Paulistano, diante da boa marcação bauruense, passou a explorar uma fraqueza da equipe, mas precisamente de Anthony.

 

Jogando em cima do armador, conseguiu causar desequilíbrio na ajustada defesa do Dragão. Em um primeiro momento Hettsheimeir até compensou a falha com tiros longos, mas os desperdícios de bola cometidos pelo atual campeão brasileiro deram quadra aos donos da casa, que encostaram no marcador ao final do primeiro tempo, 34 a 33.

 

O Paulistano conseguiu assumir a liderança do marcador pela primeira vez na partida no começo da etapa complementar, após tiro certeiro de Hubner no perímetro. Mas não demorou para o Bauru retomar as rédeas do duelo. Mesmo com todos os erros da arbitragem, que prejudicaram majoritariamente o Dragão, a equipe manteve a cabeça no lugar e com base no trabalho coletivo, voltou a abrir frente.

 

A entrada de Yago deu uma nova cara aos donos da casa. Apagado no primeiro tempo, o armador castigou a defesa bauruense com seus dribles rápidos e arremessos longos. Coube a Hettsheimeir responder a investida do rival, mantendo os visitantes em vantagem na partida, 54 a 50.

 

 Com 23 pontos e 14 rebotes, Hettsheimeir foi o nome da partida (Victor Lira/Bauru Basket)

 

O confronto, que já vinha sendo marcado pela solidez defensiva, ficou ainda mais travado no último período. Com o jogo se encaminhando para a reta final, os adversários redobraram a marcação, que foram amplamente superiores que os ataques, que precipitaram inúmeras bolas e só conseguiram movimentar o marcador depois de mais de quatro minutos.

 

Com dificuldade para infiltrar no garrafão bauruense, protegido com sete chaves, o Paulistano apostou todas as suas fichas nas bolas de três pontos, que não levaram perigo ao Bauru. Mais equilibrado, o Dragão sacramentou a vitória nas bolas longas encapadas por Jaú e Hettshemeir, e nas infiltrações de Isaac, 70 a 59.

 

Please reload

Postagens Recentes
Please reload

Arquivo
Please reload

Procurar por tags