Flamengo domina a partida, impõe dura derrota ao Bauru e segue na caça ao Franca

07/11/2018

Quando Bauru e Flamengo se encontram, geralmente, é sinônimo de partida acirrada e decisiva. Mas hoje a história foi completamente diferente. Em partida válida apenas pela sétima rodada da primeira fase de classificação, o rubro-negro passou por cima do Dragão, vencendo os donos da casa por 77 a 47.

 

Com um elenco repleto de estrelas, e como todas elas à disposição, Gustavinho (como de costume) modificou bastante a formação da equipe ao longo da partida, mantendo a intensidade do time durante todo o confronto. A estratégia, que é marca registrada das equipes comandadas pelo comandante, foi ainda mais eficaz nessa noite.

 

Diante de um time completamente desfigurado, pelas inúmeras baixas por lesão e pela oscilação de jogadores fundamentais no plano de jogo de Demétrius, o Mais Querido sufocou o esquadrão bauruense e não teve a menor dificuldade para confirmar a superioridade técnica, tática e física, vencendo todos os quatro períodos de uma partida que vai ficar marcado, de maneira negativa na história bauruense.

 

Ainda que tenha lutado para superar suas próprias limitações e as virtudes do adversário, o Dragão esteve longe de seus melhores dias. Carente de um armador de origem e de atletas que dividam o volume de jogo, igualou sua pior marca ofensiva na história do NBB, registrada anteriormente diante do Minas, nas quartas de final da primeira edição do NBB, em maio de 2009.

 

Um dos cestinhas da equipe na competição, Lucas Mariano foi completamente anulado pela defesa rubro-negra, anotando apenas seis pontos (Victor Lira/Bauru Basket) 

 

Após a partida, Demétrius comentou sobre o revés e voltou a pedir paciência para a torcida, já que o time segue sem seus principais atletas para as próximas partidas.

 

"Estamos em um período difícil porque estamos passando por muitas lesões inesperadas. Cada um dentro desse time é muito importante e, com as lesões, isso acaba sobrecarregando todo mundo. Mas o importante é continuarmos acreditando e nos dedicando como estamos fazendo."

 

Sem outra alternativa, o Bauru terá que juntar os cacos, já que terá mais dois jogos ainda nessa semana. Na quinta, o time enfrenta o Minas, que vem fazendo grande campanha nessa temporada. Depois, no sábado, terá a equipe do São José pela frente.

 

Na outra ponta da tabela, o Flamengo terá confronto direto contra o Franca na luta pela primeira colocação, quinta, no interior paulista. Depois, no sábado, terá o clássico contra o Vasco da Gama.

 

O JOGO

 

Os primeiros minutos de partida até foram equilibrados. Mas quando o Bauru entrou na armadilha de acelerar o ritmo de jogo, tornou-se presa fácil para o Flamengo. Congestionando o garrafão, direcionou as jogadas dos mandantes para o perímetro, onde o aproveitamento foi nulo. Dominando os rebotes, o rubro-negro aproveitou os contragolpes para assumir o controle de jogo, distribuindo a pontuação entre quatro dos seus cinco jogadores.

 

O tempo foi passando e o cenário se mantinha o mesmo. Sem velocidade e criatividade, o Dragão pouco produzia, enquanto o Mengão aproveitava as chances na contra-ofensiva. Em duas jogadas muito parecidas, Deryk Ramos teve liberdade e encaçapou duas bolas de fora, colocando a diferença em quinze pontos. Após a entrada de Gustavo, os donos da casa tiveram mais mobilidade dentro de quadra, reduzindo a diferença em cesta do ala-armador, 17 a 07.

 

O Bauru voltou melhor postado para o segundo quarto. Ainda que não tenha sido brilhante, impôs mais dificuldade ao adversário. Assim, conseguiu ter mais volume de jogo e com as bolas em mãos,  teve uma leitura melhor do que a partida pedia. Agressivos em direção à cesta, Samuel, Basílio e Renato puxaram a pontuação do time nos primeiros minutos.

 

Mas nem deu tempo do Dragão criar muita expectativa. Com mais recurso técnico e melhor condição física, o Flamengo anulou o ataque bauruense e aproveitou a velocidade de Davi na saída em velocidade, bem como o volume de jogo de Marquinhos e Olivinha, para aumentar ainda mais a sua vantagem no marcador, indo para os vestiários com 39 a 22 à seu favor.

 

Olivinha saiu do banco e anotou quatorze pontos, mais que qualquer atleta bauruense (Victor Lira/Bauru Basket)

 

O começo do segundo tempo foi o período de maior equilíbrio e de maior nível técnico. Intensificando a marcação na área pintada, Bauru conseguiu recuperar duas bolas e sair no contragolpe. Com espaço, encontrou Enzo e Jefferson, duas vezes, livres no perímetro. Precisos, anotaram nove pontos, levantando, pela primeira e única vez, o torcedor no Panela de Pressão. Mas não demorou muito para o Flamengo responder.

 

Retomando a intensidade defensiva e a organização ofensiva, devolveu os arremessos de fora, com Davi Rosseto e Marquinhos. A sequência foi um balde de água fria nas pretensões do Dragão. Sem conseguir envolver a defesa adversária, que protegeu muito bem o garrafão, viu os visitantes trabalharem de maneira coletiva, recolocando a diferença próxima dos vinte pontos, 59 a 40.

 

Com a partida resolvida, os adversários vieram para o segundo tempo com formações alternativas, compostas por jogadores da segunda unidade e jovens que integram as categorias de base e completam o elenco adulto. Se beneficiando da maior qualidade dos suplentes e da experiência e categoria de Olivinha, o Mais Querido confirmou a vitória com muita tranquilidade, fechando o duelo em 77 a 47.

 

Please reload

Postagens Recentes
Please reload

Arquivo
Please reload

Procurar por tags