NBB Brasil atropela NBB Mundo e amplia vantagem sobre os gringos

09/02/2019

O NBB Brasil quebrou todas as expectativas e, com uma atuação impiedosa, passou por cima do NBB Mundo, batendo os gringos por expressivos 144 a 92. A vitória maiúscula amplia a vantagem do combinado brasileiro, que chega ao sexto triunfo contra apenas três vitórias dos estrangeiros.

 

O segredo para tamanha superioridade foi a postura com que o NBB Brasil entrou em quadra. Marcando o adversário de maneira agressiva, conseguiu tirar os espaços e a confiança dos principais arremessadores do Novo Basquete Brasil.

 

Vantagem na estatura facilitou na construção de jogo brasileira (FotoJump/LNB) 

 

Com Shamell, Fuller e companhia bem monitorados e sem pivôs de origem, os gringos ofereceram pouco perigo ao agregado brasileiro. Dominando os rebotes defensivos, os canarinhos aceleraram as ações, castigando o rival nas saídas em velocidade e também nos ataques armados, em grande partida coletiva.

 

Rodando a bola em busca sempre de um companheiro melhor posicionado, não tiveram a menor dificuldade para assumir o controle do jogo ainda nos primeiros minutos e praticamente liquidá-lo na etapa inicial, quando a diferença já batia a casa dos trinta pontos.

 

Com o triunfo encaminhado, a comissão técnica do NBB Brasil pôde rodar bastante a equipe, dando oportunidade para que todos os atletas tivessem oportunidade de participar da festa e mostrar um pouquinho do seu potencial para o público presente.

 

Ala-pivô do Bauru Basket não ligou para as vaias da torcida francana e faturou o MVP ao anotar 28 pontos e capturar 11 rebotes (FotoJump/LNB)

 

Aproveitando muito bem a oportunidade recebida na reta final da partida, Jefferson William emplacou seis arremessos consecutivos de três pontos e desbancou Leo Meindl e Lucas Dias na disputa pelo troféu de MVP do Jogo das Estrelas.

 

 

O JOGO

 

O time do NBB Brasil se impôs desde os primeiros minutos. Com uma defesa agressiva, contestou todos os arremessos do adversário, especialmente no perímetro, especialidade de Fuller, David Jackson e companhia. A medida fez com que o aproveitamento dos gringos no setor fosse irrisório. Dominando os rebotes ofensivos, o combinado brasileiro teve tranquilidade para atacar, tanto na transição, quanto no ataque armado. Rodando a bola com velocidade, Cauê Borges envolveu todas as peças do quinteto titular, extraindo o melhor de cada uma delas, com destaque para as infiltrações de Leo Meindl e para o trabalho de pernas de Lucas Dias, que levou ampla vantagem diante de marcadores menores, 39 a 16.

 

A vantagem canarinha ficou ainda maior no segundo período. Com um quinteto totalmente modificado, os brasileiros contaram com a pontaria calibrada de Jefferson e Leandrinho nas bolas de três pontos, chegando a abrir trinta pontos de diferença. Após a entrada de Sahdi, o NBB Mundo trabalhou coletivamente, abrindo espaços para Graterol atuar no garrafão e para que Shamell tivesse volume ofensivo. No entanto, o time não soube aproveitar o crescimento de produção da dupla e voltou a insistir nos arremessos de fora, mesmo sem confiança e em situações de superioridade numérica. Assim, desperdiçou a oportunidade de reagir e viu a diferença no marcador se manter próxima dos trinta pontos, 64 a 38.

 

Banda Atitude 67 animou o intervalo da partida (Reprodução/LNB)

 

No começo da etapa complementar, o NBB Brasil colocou fim em qualquer tentativa de reação do NBB Mundo. Mantendo a seriedade e a consciência coletiva, selecionou bem seus arremessos pontuando com oito atletas diferentes no período, com Cauê Borges, Leo Meindl e Alex puxando o arsenal ofensivo. Sem a mesma variação, os gringos ficaram reféns das bolas precisas de Zach Graham e das investidas de Bennett, extremamente agressivo em direção à cesta. Tamanha disparidade entre propostas de jogo ficou evidenciada no marcador, que ao final do terceiro período, já apontava para a vitória centenária dos brasileiros, por 101 a 64.

 

Com a vitória assegurada, o NBB Brasil diminuiu a intensidade e o NBB Mundo pôde apagar um pouquinho a má impressão deixada. Equilibrando a disputa pelos rebotes, emplacou boas saídas em velocidade, com Fuller e Enzo Ruiz. Ainda assim, os brasileiros seguiram ditando o ritmo. Em uma sequência avassaladora de seis arremessos certeiros da linha dos três pontos, Jefferson roubou as atenções, desbancando Leo Meindl e Lucas Dias na disputa pelo prêmio de MVP e conduzindo o combinado canarinho a mais uma vitória sobre os gringos, 144 a 92.

 

Please reload

Postagens Recentes
Please reload

Arquivo
Please reload

Procurar por tags