Flamengo volta melhor do intervalo e vence o clássico diante do Botafogo

02/03/2019

O Flamengo não se incomodou com o fato de atuar sem a presença do seu torcedor e venceu o Botafogo, fora de casa, pelo placar de 73 a 67. O resultado positivo diante do arquirrival permite que o clube rubro-negro siga firme na briga pela liderança do Novo Basquete Brasil.

 

Como o placar já aponta, o Mais Querido não teve vida fácil nessa sexta-feira de carnaval. Com Balbi bem monitorado pela dupla de armadores do adversário, os visitantes tiveram altos e baixos ao longo do embate, precisando se superar para buscar alternativas que compensassem a falta de dinâmica que só o hermano tem conseguido dar ao pentacampeão nacional.

 

Em meio a tantos pontos de desequilíbrio entre os adversários, o retorno do intervalo acabou sendo decisivo para o triunfo dos visitantes. Com uma defesa segura, que protegeu muito bem o garrafão, o Mengão aproveitou a saída em velocidade dos seus armadores para espaçar a quadra e castigar o rival no perímetro, com Marquinhos sendo o grande nome do período.

 

Discreto na primeira etapa, explodiu no segundo tempo, anotando 22 pontos e resolvendo o clássico (Marcelo Cortes/Flamengo)

 

A sequência avassaladora dos visitantes na volta dos vestiários resultou em uma diferença de quinze pontos, mais do que segura para um time experiente, como é o Flamengo, administrar. Embora o Botafogo tenha se desdobrado nos minutos finais de partida, não conseguiu reverter a situação e acabou derrotado.

 

Com o triunfo no derby, o Mais Querido chegou a décima sétima vitória em vinte um jogos na competição, encostando, novamente, no Pinheiros e no Franca, que nesse sábado, às 18:00, se enfrentam no Pedrocão.

 

Já a equipe de Léo Figueiró não perdeu posições na tabela de classificação mas desperdiçou a oportunidade de igualar a campanha do Minas Tênis Clube. Com nove vitórias em vinte e um duelos, ocupa a sétima colocação no campeonato.

 

O JOGO

 

O primeiro quarto da partida ficou marcado pelo equilíbrio, mas de uma maneira um tanto quanto particular. Isso porque o Flamengo começou a partida explorando muito bem a vantagem de estatura de seu quinteto titular, garantindo rebotes defensivos e explorando o trabalho de Marquinhos em cima de Cauê Borges, para anotar os oito primeiros pontos do confronto. Mas o domínio rubro-negro não durou muito tempo.

 

Para compensar a desvantagem na altura, o Botafogo imprimiu mais velocidade na rotação defensiva, chegando, em alguns casos, a dobrar a marcação. Assim, conseguiu recuperar três posses de bola e assumir o controle das ações através dos contragolpes puxados por seus armadores. No ataque organizado contou com boa aparição de Diego para se manter na liderança e fechar o período com cinco pontos de frente, 18 a 13.

 

Os mandantes caíram drasticamente de rendimento no começo do segundo quarto. Sem paciência para movimentar a posse de bola em busca de melhores soluções, acumularam desperdícios ofensivos, ficando quatro minutos sem pontuar, oscilação que permitiu que o rival, mesmo sem ser brilhante, retomasse a dianteira, com uma sequência de três arremessos do perímetro, sendo dois deles de Deryk Ramos.

 

Com o retorno de seus titulares, o clube de General Severiano se comportou melhor. Mais agressivo na defesa, tirou os espaços do adversário na linha dos três pontos, ganhando confiança para trabalhar do outro lado da quadra. Após boa sequência de Ansaloni na área pintada, os donos da casa chegaram a empatar o duelo, mas Varejão converteu dois lances livres nos segundos finais do primeiro quarto e o Mais Querido foi para os vestiários vencendo por 33 a 31.

 

No começo da etapa complementar o equilíbrio deu lugar ao domínio rubro-negro. Com uma defesa agressiva, que protegeu muito bem o miolo defensivo, o Flamengo garantiu os rebotes defensivos e teve a oportunidade de sair na transição. Com sabedoria, a equipe selecionou bem os arremessos, distribuídos entre a artilharia de Marquinhos nos tiros de fora e as bolas de segurança de Varejão e Olivinha.

 

Até então estático, o Botafogo conseguiu colocar intensidade na troca de passes e construir jogadas interessantes, que lhe permitiram voltar a pontuar com mais regularidade. Mas, apesar da melhora ofensiva, os donos da casa não conseguiram emplacar uma boa sequência na defesa, entrando no último período com uma alta desvantagem no marcador 61 a 47.

 

Além de anular Balbi, Coelho apareceu bem na contra-ofensiva, terminando como cestinha da equipe, com 19 pontos (Marcelo Cortes/Flamengo) 

 

Mas, se no terceiro quarto o Mengão se impôs, na última parcial foi o clube de General Severiano quem começou o período melhor. Com uma defesa agressiva, segurou o ataque rubro-negro por mais de três minutos. Na frente, furou a defesa por zona do rival através das infiltrações de Jamaal e Cauê Borges, baixando a diferença para apenas seis pontos e reequilibrando a partida.

 

No entanto, os mandantes não conseguiram manter o equilíbrio defesa/ataque por muito tempo e viram o adversário tranquilizar a situação em arremessos precisos de Marquinhos, que silenciou o Ginásio Oscar Zelaya na reta final do confronto, vencido pelo Flamengo por 73 a 67.

 

Please reload

Postagens Recentes
Please reload

Arquivo
Please reload

Procurar por tags