Em partida de tempos distintos, Minas vence o Bauru em Belo Horizonte

04/04/2019

Regularidade. Está aí uma palavra que assombrou a temporada regular do Minas Tênis Clube e do Bauru Basket, comprometendo o rendimento das equipes e as colocando frente à frente logo nas oitavas de final do Novo Basquete Brasil.

 

A expectativa de que os adversários tivessem mais concentração e, no caso bauruense, personalidade, escrevendo uma nova história na pós temporada, ao menos no primeiro confronto da série, foi por água abaixo.

 

Mineiros e paulistas fizeram um confronto de dois tempos completamente distintos. Na primeira metade, domínio absoluto dos visitantes, com Jefferson assegurando rebotes defensivos e sendo efetivo nos arremessos de média e longa distância.

 

Na etapa complementar, a atitude apática dos bauruenses facilitou o trabalho defensivo dos mandantes. Mesmo sem poder contar com Gegê, que deixou a quadra ainda no segundo tempo, os minastenistas deitaram e rolaram pra cima do Dragão, com grande atuação de Coleman e Wesley.

 

Além do desempenho da dupla, Leandrinho ainda contribuiu com 15 pontos (Orlando Bento/Minas Tênis Clube)

 

Com a vitória dessa quarta-feira, em Belo Horizonte, o Minas larga na frente na disputa por uma vaga às quartas de final da competição, jogando, consequentemente, toda a pressão para o Bauru Basket.

 

Embora tenha o direito de decidir dentro de casa por conta da melhor campanha na primeira fase, o Dragão terá que entrar em quadra com outra postura, já que a partida de sábado vale a sobrevivência da equipe na temporada. Caso faça a lição de casa, os bauruense forçarão a realização do terceiro e decisivo embate, marcado para a próxima segunda-feira.

 

O JOGO

 

O Minas começou melhor a partida. Trabalhando de maneira coletiva e organizada, bagunçou a defesa bauruense, colocando Leandrinho e Coleman em situações de miss match em cima dos pivôs adversários. Mesmo sem Lucas Mariano, que rapidamente cometeu duas faltas, Bauru foi acertando o posicionamento defensivo e garantindo rebotes importantes para o atuar em transição.

 

Bem municiado por Fúlvio, Jefferson se aproveitou da diferença de estatura em relação à Coleman e castigou os donos da casa à média e longa distância. Apesar de ter precipitado alguns arremessos quando ainda tinha tempo para trabalhar a posse de bola, o Dragão fechou o primeiro quarto em vantagem, após tiro certeiro de Larry na zona morta, 19 a 18.

 

A superioridade dos paulistas ficou nítida no começo do segundo período. Mais atento às trocas e coberturas defensivas, Bauru protegeu bem a área pintada, anulando peças importantes dos minastenistas. A segurança defensiva permitiu que a equipe tivesse tranquilidade para atacar, explorando o trabalho de pernas de Marcão e as infiltrações de Larry e Alex para abrir dez pontos de vantagem.

 

Após o tempo técnico pedido por Flávio Espiga, os mandantes imprimiram mais intensidade na defesa, conseguindo interceptar dois passes que resultaram em duas bandejas. A reação, no entanto, parou por aí. De maneira inteligente, os visitantes trabalharam de mão em mão e só foram parados com faltas. Com tranquilidade, aproveitaram as oportunidades que tiveram na linha do lance livre e foram para o intervalo com a diferença mantida, 45 a 35.

 

Assim como toda a equipe, Jefferson caiu drasticamente de rendimento no segundo tempo (Orlando Bento/Minas Tênis Clube)

 

O começo da etapa complementar ficou marcada pelo crescimento de produção de jogadores que possuem grande volume de jogo mas que tiveram um primeiro tempo discreto, especialmente do lado minastenista. Com mais paciência para trabalhar a posse de bola, os donos da casa tiveram muita liberdade no perímetro, onde Wesley e Coleman deitaram e rolaram, cortando a diferença para apenas um ponto.

 

Depois de mais de três minutos sem pontuar, sofrendo inúmeros contragolpes, Demétrius, enfim, parou o jogo. Após a intervenção do treinador, Bauru ofereceu mais dificuldade ao ataque adversário e, embora seguissem sem criatividade, conseguiu pontuar com Alex Garcia, fechando o período ainda na dianteira do marcador, 56 a 55.

 

O bom momento do Minas Tênis Clube foi premiado no início da última parcial. Atuando na intensidade que o confronto pedia, não teve a menor dificuldade para frear o ataque bauruense e encaminhar a vitória ainda nos primeiros minutos do período, com Coleman sendo cirúrgico e Lucas dando suporte ao gringo, em uma sequência de 15 a 3 que fez com que os donos da casa abrissem onze pontos de frente.

 

Embora tivesse muito jogo pela frente, os visitantes, em nenhum momento, ameaçaram o triunfo minastenista. Completamente perdido dentro de quadra, se tornou presa fácil para os donos da casa, que souberam cadenciar as ações, administrando a vantagem construída anteriormente, 78 a 71.

 

Please reload

Postagens Recentes
Please reload

Arquivo
Please reload

Procurar por tags