Bauru vence o São João e se reabilita no Campeonato Paulista

05/08/2019

Não foi uma partida de encher os olhos, mas se faltou qualidade, sobrou disposição. Foi dessa maneira que o Bauru Basket venceu o São João da Boa Vista, por 55 a 51, se recuperando da derrota sofrida para o Rio Claro na última sexta-feira, na estreia da competição.

O cenário do confronto, por sinal, lembra muito bem o do embate contra o Leão. Porém, com uma diferença bastante significativa. Se naquela oportunidade, os jogadores tiveram dificuldades para fechar o jogo, dessa vez, ainda que em função da solidez defensiva do que propriamente do ataque, a equipe consumou a vitória.

 

Por falar em solidez defensiva, o Dragão já tem mostrado que esse será o carro-chefe do time nessa temporada. Com marcação quadra toda e trocas bem ajustadas, com direito a sacrifício de Renato para neutralizar os armadores adversários, Bauru limitou o oponente a apenas 51 tentos. Na estreia o Dragão sofreu 68, dentro da margem de 70 pontos estipulada pela comissão técnica.

 

Se a defesa vem funcionando muito bem, o mesmo não se pode falar do ataque. Consciente da falta de entrosamento e da necessidade de mais peças, como a estreia de Wiggins e a chegada de um ala-pivô, o Dragão tem buscado trabalhar de mão em mão. No entanto, quando verticaliza as jogadas, ainda comete desperdícios. Hoje foram dezoito passes errados.

 

Apesar de se tratar de um início de trabalho, Demétrius reconheceu esse desequilíbrio na equipe.

 

"É um sistema eu sempre preguei. Eu como treinador, nas vezes em que tive êxito, foi em cima do trabalho defensivo. E esse é um dos nossos objetivos, ter a melhor defesa do campeonato. Mas ainda precisamos dar um padrão para o nosso ataque. Não adianta nada defender bem e não ter qualidade no ataque."

 

Enquanto os reforços não chegam, um garoto da categoria de base tem correspondido bem nas vezes que foi acionado. Sem a mesma responsabilidade que Wiggins e o novo reforço terá na equipe, Emanuel vem surpreendendo e se tornando uma peça importante dentro da rotação da equipe.

 

Emanuel veio muito bem do banco de reservas e se tornou o atleta mais eficiente da partida (Victor Lira/Bauru Basket)

 

Ainda tímido, o ala comentou sobre sua evolução, especialmente no setor ofensivo, onde apareceu como elemento surpresa, computando doze pontos, sendo que a maior parte em momentos de dificuldade do Bauru Basket.

"O Demétrius pediu para eu fazer a mesma coisa que eu faço nos treinos. Ser agressivo para que eu ganhe tempo de quadra e evolua cada vez mais."

 

Do outro lado, mesmo com a derrota para o Dragão, a avaliação de atletas e comissão técnica do São João da Boa Vista foi bastante positiva. Com muita organização tática, agressividade defensiva e objetivo no ataque, o caçula do Campeonato Paulista deu muito trabalho para os donos da casa.

 

Além disso, o time da FAE apresentou um grande equilíbrio entre titulares e reservas, conseguindo manter a intensidade do início ao fim da partida, pecando apenas nos lances livres, tendo aproveitado apenas dois dos oito arremessos que teve oportunidade (25% de aproveitamento).

 

Para o armador Diogo, a experiência foi positiva e a lição a ser tirada é de que o trabalho está no caminho certo, cabendo aos atletas manterem a aplicação para que o clube possa alçar vôos maiores.

 

"Nosso time está de parabéns. Para nós, que somos apenas uma equipe universitária, fazer uma partida desse nível foi excelente. Foi um grande aprendizado mas vamos continuar forte porque tem muito campeonato pela frente."

 

Curiosamente, o próximo adversário dos dois clubes é o Corinthians. O primeiro a desafiar o alvinegro e a força de sua torcida é o Bauru, na próxima quarta-feira, às 20 horas. Na sexta-feira, no mesmo horário, é a vez do São João ir até a capital paulista encarar o Timão. 

 

O JOGO

 

Na sua estreia dentro de casa, o Bauru Basket não demorou a impor seu ritmo de jogo. Depois de compreender a maneira do adversário atuar, os donos da casa acertaram o posicionamento defensivo, sobretudo em relação às saídas de bloqueio, criando condições para sair no contragolpe. Com boa visão de jogo de Faggiano e brilho individual de Larry Taylor, autor dos nove primeiros pontos da equipe, o Dragão assumiu o controle do jogo, obrigando o técnico Renor a pedir tempo.

 

Depois do tempo técnico pedido pelo comandante do São João, o time visitante cuidou melhor da posse de bola e explorou a vantagem de estatura de Mauro e Mateus em cima dos laterais bauruenses para pontuar em jogadas próximas à cesta. Apesar do crescimento de rendimento do rival, a equipe da Cidade Sem Limites manteve a vantagem no marcador em lances individuais de Brito e de Pará, 17 a 09.

 

O Bauru não voltou bem para o segundo quarto. Ainda com uma formação alternativa, os mandantes apresentaram lentidão na troca de passes, facilitando o trabalho defensivo do rival que se beneficiou de uma sequência de airball’s do Dragão. A segurança defensiva deu confiança para o São João trabalhar na construção ofensiva, que muitas vezes aconteceu em situação de superioridade numérica.

 

Abusando da velocidade dos seus armadores, o São João rodou a bola com precisão até encontrar um companheiro melhor posicionado. Com boa distribuição no volume ofensivo, os visitantes foram diminuindo a desvantagem no placar, que só não ficou ainda menor por conta dos desperdícios de lances livres da equipe da FAE, 24 a 19.

 

Grande nome do primeiro quarto, Larry voltou a aparecer nos minutos finais, sendo decisivo para o Dragão (Victor Lira/Bauru Basket)

 

Nem mesmo as instruções de Demétrius e o retorno dos titulares na volta para a etapa complementar recolocaram Bauru nos trilhos. Impaciente, os donos da casa abusaram da individualidade e precipitaram muitos arremessos, se tornando presa fácil para o adversário, que chegou a virada após tiros certeiros de Diogo e Alisson.

 

Do banco de reservas Dema fez tudo que tinha direto. Além de solicitar pedido de tempo técnico também promoveu diversas trocas na equipe. Apesar das tentativas, o time não respondeu dentro de quadra, ficando refém de lampejos individuais de Renato e do jovem Emanuel, responsáveis pelo empate parcial, 34 a 34.

 

No início do último quarto, os donos da casa voltaram com mais intensidade nas trocas defensivas, o que permitiu ao time recuperar três posses de bola, fundamentais para as saídas em velocidade de Brito e Emanuel. Com uma vantagem de sete pontos à seu favor, o Dragão parecia ter o controle de jogo, mas o duelo estava muito longe de terminar.

 

Com muita personalidade, o São João dobrou a marcação em cima dos armadores bauruenses, criando uma armadilha para que os outros atletas forçassem bolas de fora, mesmo com muito tempo no relógio. Na frente, Diego e Mauro emplacaras três arremessos do perímetro, sequência que colocou os visitantes em vantagem no marcador no minuto final. Foi então que Larry Taylor colocou a bola debaixo do braço, liquidando a parada com quatro pontos consecutivos, 55 a 51.

 

Please reload

Postagens Recentes
Please reload

Arquivo
Please reload

Procurar por tags