Na estreia de Wiggins, Bauru derrota o São José

O Bauru Basket conquistou a segunda vitória no Campeonato Paulista. Mesmo atuando fora de casa, a equipe da Cidade Sem Limites derrotou o São José, pelo placar de 83 a 69, se recuperando da derrota sofrida para o Corinthians, na última quarta-feira.


Mas não foi fácil para o Dragão conquistar o primeiro resultado positivo atuando longe dos seus domínios. Ainda longe das condições físicas ideais e sem poder contar com todos os jogadores do elenco, os visitantes foram amplamente dominados no primeiro tempo.


Para conter o volume ofensivo de Duda Machado, velho conhecido do torcedor bauruense, o Dragão dobrou a marcação em cima do ala-armador. O jogador, de fato, pouco tocou na bola. Mas, em compensação, seus companheiros tiveram muita liberdade no perímetro. Por ali, Mariani e Buemo deitaram e rolaram.


No intervalo, Demétrius modificou o sistema defensivo, deixando que cada marcador se responsabilizasse por apenas um jogador. Quando foi preciso, Bauru realizou trocas para evitar que os jogadores adversários saíssem dos bloqueios em vantagem.


Dessa maneira, os visitantes estancaram a produção da Águia e foram ganhando confiança para trabalhar do outro lado da quadra. Sobrecarregado na primeira etapa, Faggiano cadenciou o ritmo de jogo e colocou seus companheiros em ótimas condições de pontuar.


Em sua melhor apresentação com a camisa bauruense, armador argentino anotou 18 pontos e distribuiu 08 assistências (Victor Lira/Bauru Basket)

Um dos mais beneficiados pela visão de jogo apurada do hermano, foi o ala Nick Wiggins. Recém chegado ao país, o norteamericano mostrou um pouquinho do que pode fazer com a camisa do Dragão. Agressivo em direção à cesta, contribuiu com onze pontos, sendo que muitos deles vieram em momentos decisivos da partida.


Larry Taylor, ídolo da equipe e um dos poucos jogadores remanescentes da última temporada, creditou a vitória á mudança de postura da equipe ao longo da partida.


''No primeiro tempo estávamos muito devagar, sem intensidade. No intervalo nós conversamos e falamos que não daria para ganhar a partida daquela maneira. Conseguimos fazer um ótimo trabalho no terceiro e no quarto período e por isso conseguimos ganhar o jogo."


Na próxima rodada, as equipes terão confrontos duríssimos. Na segunda-feira, o São José vai até o interior paulista encarar o time do Rio Claro. Já o Dragão tem uma semana para trabalhar antes de receber o Paulistano, no próximo domingo, dia 18, no Ginásio Panela de Pressão.


O JOGO

O primeiro quarto de partida foi de baixíssimo nível técnico. Ainda distantes das condições físicas e técnicas ideais, os adversários apresentaram pouca movimentação ofensiva, ficando encaixotados na defesa adversária. Ligeiramente superior, o São José assumiu o controle das ações em arremessos de três pontos de Rafael e Figueredo.


Descontente com o rendimento de sua equipe, Demétrius trocou todos os jogadores. Com uma formação formada apenas por garotos da categoria de base, Bauru pressionou a saída de bola e chegou a empatar em grande sequência de Emanuel. No entanto, os donos da casa souberam explorar as fragilidades dos garotos, sobretudo de Malachias, que perdeu todas as disputas com Pedrão na área pintada, 21 a 14.


A Águia seguiu superior no começo do segundo período. Mais vertical na construção das jogadas, os donos da casa conseguiram romper a defesa bauruense e girar a posse de bola até encontrar um companheiro melhor posicionado. Bem posicionado, Lupa se beneficiou da movimentação ofensiva, convertendo dois ganchos curtos fundamentais para o time joseense abrir doze pontos de frente.


Sem a mesma organização do adversário, Bauru contou com o brilho individual de dois jogadores para reagir. Recém chegado ao Brasil, Wiggins entrou com a responsabilidade de desafogar o ataque do clube visitante. Agressivo em direção à cesta, sofreu diversas faltas e não desperdiçou as oportunidades na linha do lance livre. Aproveitando as dobras de marcação em cima do norteamericano, Emanuel guardou mais quatro pontos, igualando o placar parcial, 38 a 31.


Wiggins chegou ao Brasil ontem mas já mostrou porque sua chegada era tão aguardada (Victor Lira/Bauru Basket)

O Dragão voltou com outro postura para a etapa complementar. Sem realizar dobras defensivas em cima de Duda, os visitantes conseguiram estancar o volume de jogo do adversário, criando condições para sair na transição. Percorrendo a quadra com muita velocidade, Renato e Emanuel converteram três bandejas consecutivas para recolocar a equipe na partida.


Nem mesmo o tempo técnico pedido por Paulo Jaú serviu para acertar a equipe do São José. Com dificuldade para sair da marcação pressão do adversário, a equipe da casa ficou muito tempo sem pontuar e, para piorar, cometeu diversas faltas. Preciso na linha do lance livre, Bauru assumiu a liderança da partida. No final do período, Mariani chegou a recolocar os mandantes na liderança mas Faggiano devolveu na mesma moeda, 55 a 54.


A crescente bauruense ficou evidenciada no início do último quarto. Com pressão no homem da bola e trocas bem ajustadas, o Dragão limitou o adversário a apenas quatro pontos. Na frente, Faggiano usou e abusou do pick-and-roll para colocar Renato e Gabriel em ótimas condições de pontuar e também servir seus companheiros, como Crescenzi. Com uma sequência de 18 a 04, os visitantes abriram quinze pontos de vantagem.


Com a vitória bem encaminhada, Demétrius teve condições de dar descanso para seus principais jogadores, mantendo apenas Faggiano e Crescenzi da equipe titular. Cuidando muito bem da posse de bola, Bauru administrou o resultado e confirmou a vitória sem grandes sustos, 83 a 69.


Postagens Recentes
Arquivo
Procurar por tags

LARANJA PULSANTE

Informações e análises dos principais campeonatos estaduais, nacionais e internacionais de basquete.

Laranja Pulsante © 2019 | Todos os direitos reservados