São João desbanca Bauru e vence a primeira na competição

26/08/2019

O São João da Boa Vista conquistou a primeira vitória no Campeonato Paulista. Depois de um primeiro turno delicado, em que acabou superado por todos os adversários do Grupo B, o caçula da competição, enfim, saiu de quadra com um triunfo.

 

Atuando ao lado do seu torcedor, o time superou suas limitações e desbancou o Bauru Basket, derrotando o adversário por 111 a 104, em um duelo que se estendeu até a terceira prorrogação e teve quase três horas de duração.

 

Esses elementos ajudam a entender o quanto esse resultado positivo significa para o clube da UNIFAE. Formado apenas por jogadores jovens e que estão vinculados à universidade, ingressou no Campeonato Paulista para dar visibilidade aos garotos e promover a pratica de esportes.

 

À medida que os compromissos oficiais vão acontecendo, é natural que os atletas deixem esses ideais de lado e lutem pelo resultado. Mas como não possuem a experiência e a formação de base que a maioria dos jogadores adversários tem, o desempenho acaba ficando comprometido.

 

Apesar da diferença de realidade do São João perante os oponentes, em especial ao Dragão, que nos últimos anos abocanhou títulos nacionais e internacionais, hoje o caçula fez por merecer a vitória. Intenso do primeiro ao último minuto, ditou o ritmo de partida e ofereceu muito mais resistência ao adversário do que ele poderia imaginar.

 

Time da casa protegeu muito bem seu garrafão, contendo o trabalho dos pivôs bauruenses (Victor Lira/Bauru Basket)

 

Bem posicionado na defesa e colaborativo no ataque, comandou o marcador e poderia ter sacramentado o triunfo no tempo regulamentar, não fosse por algumas falhas pontuais na hora de matar a partida.

 

Ainda assim, teve forças para superar a perda de Evander e Igor, que vinham sendo os principais nomes da equipe na partida, e buscou a virada, para delírio do técnico Renor. Em entrevista para a Federação Paulista, o comandante enalteceu a luta dos seus atletas, fundamental para o resultado positivo.

 

"Estamos vindo numa crescente, evoluindo. Hoje conseguimos manter o nível nos momentos adversos e para jogar em uma competição desse nível tem de ser dessa maneira. Quem sabe não chegamos nos playoffs mais encorpados e tentamos pregar alguma surpresa."

 

O êxtase do time de São João contrasta com a melancolia bauruense. De olho na sequência dura que terá nos próximos quinze dias, entre Campeonato Paulista e Torneio Interligas, o Dragão entrou em quadra com uma formação mista.

 

Mas o problema não foi as peças que foram escolhidas pela comissão técnica, mas sim a apatia demonstrada nos dois lados de quadra. Visivelmente disperso, deu espaços demais ao oponente, sobretudo no perímetro, onde, em algumas situações, ficou alheio à troca de passes e sequer contestou os arremessos de três pontos.

 

Quando acordou para o jogo e enfrentou o adversário com seriedade, conseguiu reequilibrar a partida e teve chances de consumar a virada. Só que, assim como aconteceu na estreia do time na temporada, não teve tranquilidade para liquidar o confronto, precipitando arremessos longos, quando tinha tempo para trabalhar a posse de bola.

 

Com 30 pontos, Faggiano foi o jogador mais lúcido dos visitantes (Victor Lira/Bauru Basket)

 

Por meio da assessoria de imprensa do clube, Demétrius reconheceu o feito do adversário mas não deixou de demonstrar desapontamento com seus atletas, já que essa derrota pode custar caro ao Dragão na luta por uma vaga direta às quartas de final da competição.

 

"Não podemos tirar o mérito de São João, que se dedicou e lutou até o fim. Mas acabamos deixando o jogo chegar em um ponto fora do nosso controle. Temos essa responsabilidade da derrota."

 

O Bauru não terá muito tempo para assimilar os erros cometidos e se recuperar fisicamente, já que volta a quadra nessa terça-feira, quando recebe a equipe do Rio Claro, no Ginásio Panela de Pressão. Já o São João tem um dia a mais para descansar, antes de encarar o Corinthians, novamente dentro de casa.

 

O JOGO

 

Visando a grande sequência de jogos que terá nos próximos quinze dias, Demétrius poupou seus principais jogadores, iniciando a partida com um time alternativo. Mas os reservas do Bauru Basket não aproveitaram a chance que receberam. Desconectados, desperdiçaram diversas oportunidades no ataque, dando condições do São João da Boa Vista sair no contragolpe.

 

Com um elenco formado por atletas jovens e atléticos, os mandantes imprimiram velocidade na transição, pegando a defesa bauruense desprotegida. Após sequência de arremessos de três pontos de Alex e Alisson, a equipe da Unifae abriu dez pontos de vantagem. Descontente com o rendimento da sua equipe, Dema trocou todo o quinteto e a resposta veio através de bolas de segurança de Renato e Malaquias, 20 a 18.

 

O panorama do confronto não se alterou no segundo período. Mantendo a defesa por zona, o Dragão anulou a movimentação do adversário e passou à frente, com grande participação de Malaquias, dominante na área pintada. No entanto, o time da Cidade Sem Limites não soube aproveitar o momento favorável, desperdiçando quatro ataques consecutivos.

 

A oscilação bauruense permitiu que o São João se recuperasse. Do banco de reservas, Michel e Evander observaram o posicionamento defensivo do rival e assim que entraram em quadra, desafogaram o ataque dos donos da casa. Atuando em parceria com os pivôs, saíram dos bloqueios com espaço suficiente para converterem arremessos de média distância, fundamentais para que a Unifae retomasse o controle das ações, 37 a 30.

 

A superioridade dos donos da casa ficou evidente no começo do segundo tempo. Mantendo a postura agressiva, anulou a troca de passes do oponente, limitando-o a pontuar apenas na linha do lance livre. Na frente, os armadores tiveram mais paciência para construir as jogadas, criando melhores situações, como na ponte aérea de Amato para Evander. Assim, o São João abriu doze pontos de diferença, sua maior vantagem na partida.

 

Com dificuldade para articular jogadas na área pintada, o Bauru tentou responder através da individualidade dos estrangeiros, sobretudo de Wiggins. Com grande repertório ofensivo, o canadense colocou a bola de baixo do braço e cortou a diferença pela metade. No entanto, o time cedeu muitos rebotes ao adversário, que conteve a reação bauruense e foi para o último quarto vencendo o duelo por 52 a 42.

 

Diferentemente do que se esperava, Bauru regrediu em relação à ultima partida e ficou refém da individualidade dos estrangeiros (Victor Lira/Bauru Basket)

 

A vantagem construída pelo time da Unifae ao longo de toda a partida desapareceu no início do último período. Mesmo com a liberdade concedida pela defesa do Dragão, o time da casa desperdiçou diversos arremessos livres e acabou pagando caro por isso. Impulsionado pelo crescimento de rendimento de Faggiano e Crescenzi, os visitantes cortaram a diferença para apenas dois pontos, encostando no marcador.

 

A proximidade do final da partida mexeu com os ânimos da equipe. Visivelmente tensas, buscaram trabalhar de mão em mão para que os seus principais jogadores partissem no um contra um. Em meio a um festival de erros, Igor surgiu como principal candidato à herói ao dar vantagem de quatro pontos à equipe da Unifae. No entanto, Bauru não se deu por vencido e foi buscar o empate no estouro do cronômetro, em bola certeira de Gabriel Mendes, 71 a 71.

 

PRORROGAÇÃO

 

Assim como aconteceu em todo o embate, o time do São João ditou o ritmo de jogo no começo da prorrogação. Brigando por cada posse de bola na quadra, de ataque, abriu três pontos de vantagem após rebote ofensivo de Igor. Intensificando a marcação na linha de passe, o Dragão evitou que o atleta pegasse na bola e, ponto a ponto, foi descontando a diferença, até chegar a mais um empate, em lances livres de Larry Taylor, 78 a 78.

 

No início da segunda prorrogação, os visitantes se sobressaíram. Assumindo a liderança que lhe foi confiada na montagem do elenco, Faggiano chamou a responsabilidade e emplacou três infiltrações consecutivas. A sequência positiva do armador, somada à exclusão de Evander e Igor (de maneira equivocada), parecia liquidar a partida. Mas não foi isso que aconteceu. Com muita personalidade, o time da Unifae manteve a compostura e buscaram o empate, forçando mais um tempo extra, 93 a 93.

 

Determinado a dar um ponto final ao jogo, o Bauru Basket abriu cinco pontos de vantagem no início da terceira prorrogação, com grande participação de Crescenzi. Mas nem deu tempo do time assimilar a situação favorável. Logo na sequência, Demétrius cometeu falta técnica e na reposição de bola Pedrinho matou uma bola da zona morta, empatando o duelo novamente. O arremesso preciso deu confiança ao garoto, que aproveitou o espaço concedido por Faggiano para anotar mais cinco pontos consecutivos e resolver a parada, 111 a 104.

 

Please reload

Postagens Recentes
Please reload

Arquivo
Please reload

Procurar por tags