Na estreia da Champions League, Mogi perde para o San Lorenzo

29/10/2019

O Mogi das Cruzes bem que tentou, mas não foi páreo para o San Lorenzo de Almagro. Nessa segunda-feira, o time paulista lutou até o final mas acabou derrotado para os atuais campeões continentais, pelo placar de 82 a 78, na partida de inauguração da Champions League de Basquete.

 

Desde o início da partida, ficou evidente que os donos da casa tinham como principal preocupação, cuidar bem da posse de bola. Com Alexey exercendo o papel de armador principal e Fuzaro auxiliando na construção de jogo, a Jaguatirica ditou o ritmo de jogo durante, praticamente, todo o confronto.

 

Além do desempenho de destaque da dupla, André Góes também conseguiu romper a defesa do Ciclón, deixando os seus companheiros em ótimas condições de pontuar. Além da distribuição do volume de jogo proporcionar um ataque fluído, com variações interessantes, também garantiu que o adversário perdesse sua principal válvula de escape.

 

Letal nas infiltrações, Fuzaro foi o cestinha de Mogi com 23 pontos anotados (FIBA Américas) 

 

Com dificuldade para conter as infiltrações dos brasileiros, o clube de Buenos Aires não teve possibilidade de sair na transição, como está acostumado a atuar. Dessa maneira, ficou limitado a atacar de maneira mais cadenciada, no famoso trabalho de cinco contra cinco.

 

Por mais que tenha um elenco repleto de estrelas, o San Lorenzo acabou encaixotado na boa marcação mogiana. Sem paciência para trabalhar a posse de bola e confrontar o sistema defensivo adversário, os visitantes precipitaram diversos arremessos de três pontos que não deram em nada.

 

Diante desse cenário, o Mogi das Cruzes foi administrando a vantagem construída ao longo dos três primeiros períodos e parecia ter a vitória encaminhada. Mas as coisas mudam muito rápido no basquete, sobretudo quando se encara um rival qualificado e experiente como o time comandado por Facundo Muller.

 

Consciente do papel desempenhado por Alexey e também das limitações da equipe paulista em relação à profundidade do elenco, os hermanos intensificaram a marcação em cima do armador. Com o jovem monitorado de perto pelos defensores adversários, os donos da casa perderam força ofensiva.

 

Por mais que a recomposição defensiva dos pupilos de Guerrinha tenha funcionado bem, evitando que o San Lorenzo imprimisse velocidade nos contragolpes, o time mogiano permitiu que Esteban Batista capturasse diversos rebotes ofensivos, fundamentais para que os visitantes tivessem nova oportunidade de construir as jogadas.

 

Pivô uruguaio anotou 18 pontos e pegou 09 rebotes (FIBA Américas) 

 

Com leitura de jogo apurada, Vildoza e Fjellerup aproveitaram as brechas concedidas pela defesa brasileira, para comandar a virada dos argentinos nos segundos finais de partida. Com a vitória conquistada fora de casa, o Ciclón fica em posição extremamente confortável dentro do Grupo A, já que o time precisa fazer apenas a lição de casa para se garantir na próxima fase.

 

Apesar da derrota, o Mogi das Cruzes segue com chances reais de classificação. Só que para ficar com uma das duas vagas, o time brasileiro precisará se impor diante da equipe do Biguá, adversário que não tem a mesma profundidade do que o adversário dessa noite.

 

Mas antes de encarar os uruguaios, no dia 24 de novembro, a Jaguatirica volta às atenções para o Novo Basquete Brasil, já que nessa sexta-feira, a equipe recebe o Pinheiros, novamente no Ginásio Hugo Ramos.

 

Please reload

Postagens Recentes
Please reload

Arquivo