Minas supera início ruim e atropela o Bauru Basket

20/11/2019

O Minas fez as pazes com as vitórias no Novo Basquete Brasil. Nessa terça-feira, o time comandado pelo técnico Léo Costa não tomou conhecimento do Bauru Basket, derrotando o Dragão por 87 a 68. Com o resultado positivo, os donos da casa se recuperaram da derrota sofrida para o Paulistano no início do mês.

 

Apesar do placar elástico, o início da partida não foi nada bom para o clube minastenista. Isso porque os mandantes não entraram em quadra com a intensidade que o confronto pedia. Apresentando lentidão na troca de passes, se tornou presa fácil para a marcação por zona da defesa bauruense.

 

Imprimindo velocidade na saída para o contragolpe, os visitantes conseguiram abrir nove pontos de vantagem após passes precisos de Faggiano e bolas de segurança de Renato Carbonari. Mas o domínio do time paulista não durou mais do que cinco minutos.

 

Fazendo uma boa leitura de jogo, Léo Costa reforçou o seu garrafão, colocando Gui Deodato e Shilton em quadra. Com a dupla auxiliando Devon Scott, o Minas equilibrou a disputa pelos rebotes, diminuindo o volume de jogo do pivô adversário. Com pouca criatividade e participação praticamente nula dos laterais, o Bauru Basket ficou extremamente previsível.

 

Além do desempenho seguro dos medalhões, banco minastenista anotou trinta pontos, contra apenas doze da segunda unidade bauruense (Orlando Bento/Minas Tênis Clube)

 

A previsibilidade do Dragão facilitou a construção de jogo dos mineiros. Imprimindo velocidade na saída para o contragolpe, os donos da casa pegaram a defesa bauruense desprotegida. Com superioridade numérica, a Onça teve consciência para rodar a bola até encontrar um companheiro melhor posicionado.

 

Muitas das vezes, esses atletas estavam completamente livres na linha dos três pontos. Com qualidade de sobra, Davi Rosseto, Queiroz e Gui Deodato converteram os arremessos de fora, escancarando a principal deficiência defensiva do Dragão nessa temporada.

 

Enquanto os mandantes apresentaram um desempenho consistente no perímetro (39,4%), o Bauru Basket teve um rendimento abaixo da crítica (15,4%), já que muitas das tentativas foram precipitadas e vieram de atletas que não possuem a bola de três como carro chefe, como Renato e Wiggins.

 

A consciência tática aliada à disparidade técnica entre os clubes fez com que a equipe de Belo Horizonte abrisse vinte pontos de vantagem no início do terceiro quarto, após grande sequência de Devon Scott sobre Massey na área pintada.

 

Com o confronto praticamente liquidado, o Minas tirou o pé do acelerador, passando todo o último quarto apenas trocando pontos com o adversário, de modo que a diferença construída no segundo e terceiro período se mantivesse igual, uma vez que, o saldo de cestas pode ser importante para os critérios de desempate.

 

Embora não tenha ganhado posições com a vitória conquistada nessa terça-feira, o triunfo foi fundamental para que o clube siga na cola de Paulistano, Pinheiros e Corinthians, adversários diretos por uma vaga na Copa Super 8, que será realizada na primeira semana de janeiro.

 

Já o Bauru deve ficar de fora, mais uma vez da competição nacional. Com apenas três vitórias em nove rodadas, o Dragão amarga a décima segunda posição, colocação que faz jus à campanha irregular do time nessa temporada.

 

Please reload

Postagens Recentes
Please reload

Arquivo
Please reload

Procurar por tags