No jogo de maior pontuação da história do NBB, Minas vence o São José

28/02/2020

O confronto entre Minas Tênis Clube e São José dos Campos entrou para a história do Novo Basquete Brasil. Nessa quinta-feira (27), os adversários deram sequência no bom momento que vivem na temporada e protagonizaram um duelo franco, com o placar mais alto da história do torneio nacional, vencido pelos mineiros por 124 a 119.

 

Curiosamente, feito anterior foi protagonizado pelos próprios mineiros com o triunfo diante do Vitória, por 117 a 111, nas oitavas de final do NBB 10 (Maurícia da Matta)

 

O placar centenário foi impulsionado pelo poderio ofensivo das equipes. Com velocidade na construção de jogo e pontuadores natos dentro dos seus elencos, os ataques levaram ampla vantagem sobre os sistemas defensivos, que passaram o embate inteiro tentando encontrar uma maneira de oferecer resistência ao oponente.

 

Mesmo sem poder contar com um armador de origem, já que Davi Rosseto está de fora de combate, o time minastenista teve o domínio das ações na maior parte do duelo. Consciente de sua importância junto aos seus companheiros e da qualidade técnica e experiência que possui, Leandrinho exerceu a função com primor.

 

Com bom controle de bola e passada larga, o Papaléguas rompeu a linha defensiva joseense, abrindo espaços para que os demais atletas atuassem dentro de sua zona de conforto. Dessa maneira, Alex, Gui Deodato e Jackson Jr tiveram liberdade para infiltrar e a dupla de pivôs, formada por Tyrone e Devon Scott, comandaram a área pintada.

 

A distribuição de jogo, aliada à volúpia ofensiva, só não garantiu um triunfo tranquilo para os donos de casa porque do outro lado da quadra havia um adversário extremamente aguerrido e aplicado taticamente, que não se deixou abater com a desvantagem de dezoito pontos no placar ao final do terceiro quarto.

 

Ciente de sua inferioridade técnica e da desvantagem no marcador, a Águia intensificou a marcação em cima dos principais articuladores adversários, conseguindo estancar a produção ofensiva do rival ao mesmo passo que contabilizava roubadas de bola para sair no contragolpe.

 

Com superioridade numérica, o time visitante movimentou a bola com inteligência até encontrar um companheiro melhor posicionado. Distribuindo as ações entre os arremessos de média e longa distância de Figueredo e Morillo, além das bolas de segurança de Lupa, o São José reequilibrou a partida e levou o jogo para a prorrogação.

 

No tempo extra, os donos da casa tiveram mais tranquilidade para trabalhar a posse de bola e foram mais felizes na hora de selecionar os arremessos, conseguindo abrir uma vantagem de cinco pontos que foi administrada até o final do confronto.

 

Ao todo, seis atletas do Minas pontuaram na casa dos dígitos duplos (Orlando Bento/Minas Tênis Clube)

 

Com a vitória conquistada dentro dos seus domínios, o time minastenista chegou ao décimo quinto triunfo na competição e igualou o número de vitórias do Mogi das Cruzes, que precisa vencer a próxima partida para manter a quarta colocação, já que o clube de Belo Horizonte leva vantagem nos critérios de desempate.   

 

Embora tenha feito mais um grande jogo, onde ficou evidente a evolução da equipe em relação ao início do campeonato, a derrota sofrida na prorrogação para o Minas pode ter custado muito para o clube. Com apenas mais sete jogos para o fim da temporada regular, a Águia encontra-se na décima quarta posição, com quatro vitórias a menos do que o Rio Claro, décimo segundo colocado.

 

Please reload

Postagens Recentes
Please reload

Arquivo
Please reload

Procurar por tags